CARPE DIEM

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

carpe

(Aproveitem o Dia de Hoje)

Qualquer crença é miragem,
fantasia, sonho, alucinação,
de quem não se sente inteiro.
Por isso, deve ser demolida,
e impiedosamente devolvida,
ao nascedouro da ilusão.

Dentre todos, certa divindade,
é de todas a mais molesta, pois
sorve nossas ingênuas crenças,
e nos arrasta inerte pro lodaçal
enquanto nos dá a convicção de
nos empurrar para os céus.

Quem mais seria, senão ela,
a malfada e torpe esperança,
esse lobo em pele de cordeiro,
que engana a humanidade, com
seu rouco e enfadonho mantra:
“Quem espera, sempre alcança!”.

Aquele, que cai na lábia de
que essa madrinha malvada
é uma virtude benéfica, não
custa muito tempo a descobrir
que não passa de uma desgraça
assustadora, cruel e tétrica.

Essa senhora pariu três filhas,
três ladinas e tristes figuras:
frustração, ignorância e impotência,
conhecidas como as três bruxas,
a transformar nossa existência
num miserento poço de agruras.

Ela é pérfida, utópica e decadente,
cartomante de mentiras deslavadas,
enche-nos de fantasias e quimeras,
mas nos tira da vida o real instante:
impede-nos de viver aqui e agora,
este doce momento presente.

E de tanto esperar o inexorável,
vamos perdendo o sentido,
distanciando-nos do hoje, único
momento que vale a pena ser
gostosamente vivido; vamos
morrendo sem feliz ter sido.

Muitas esperanças sucumbiram
no atoleiro perdido do passado;
como renitentes ervas daninhas,
insistem em renascer tenazmente,
iludindo-nos quanto ao futuro,
esse insípido tempo inexistente.

Já que o homem é factível de erro,
e na esperança enxerga os sinais
de um certeiro e impávido futuro,
é bom que, pelo menos, aprenda:
“a esperar um pouco menos
e a amar um pouco mais”.

Nota: imagem copiada de www.lowdensitylifestyle.com

8 comentários sobre “CARPE DIEM

  1. Edward Chaddad

    LuDias

    O cinema nacional está faltando com a verdade de nossa história, deixando de lado – pelo menos eu não conheço – filmagem levando em cena a vida desta notável brasileiro. Ele não é mineiro – mas do jeito que começou e apoiou o presidente Juscelino – este mineiro que modificou o Brasil – acho que o autor do artigo deveria ser um mineiro, ou melhor, uma mineira.

    Para mim, é difícil porque demandaria pesquisa. A internet está repleta de dados sobre Niemeyer, porém, é importante mostrar alguns detalhes que falam muito mais do que as obras que ele realizou – penso sobre o ideal de sua vida! Quer dizer: além de pesquisar e muito, é importante encontrar vários linhas que possam bordar o idealismo que se encontra na alma do carioca e mineiro por adoção, Niemeyer.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Niemeyer foi um dos maiores artistas brasileiros e merece toda a atenção de nosso país. Sua extensa vida foi povoada de grandes e maravilhosos feitos. Vamos aguardar que algum iluminado escreva a sua biografia, pois procurei por algum livro relativo a ele e nada encontrei.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. LuDiasBH Autor do post

    Ed

    Niemeyer foi um homem fantástico e um dos grandes nomes da arquitetura nacional. Foi maravilhoso vê-lo, já centenário, criando sem parar. Merece mesmo um belo artigo. E ninguém melhor do que você para falar da vida de grandes nomes, como o fez com Taiguara, artigo muito lido. Que tal pensar nisso?

    Abraços,

    Lu

    Responder
  3. Edward Chaddad

    LuDias
    Obrigado por seu retorno ao meu comentário. Voltei para ilustrar minha manifestação. E acho que você irá concordar plenamente.

    Oscar Ribeiro Teomar de Almeida Niemeyer Soares Filho – ou Oscar Niemeyer – um homem centenário – que viveu intensamente, curtiu todo o seu sonho no presente em que viveu e viveu o Carpe Diem até os últimos instantes de sua vida:

    Gostaria de vê-la escrevendo sobre este arquiteto maravilhoso, o homem que planejou a Pampulha e toda a edificação de Brasília – um marco no mundo, que até hoje liberta todo o espírito criativo do ser humano, um homem que valeu a sua existência e que escreveu:

    “Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein.”

    Escreva sobre ele. Um carioca que restou na história de Minas Gerais e ajudou o mineiro JK a ser também, como ele, Niemeyer, imortal!

    Responder
  4. Edward Chaddad

    LuDias

    Li que o coração – durante toda a vida, em média – bate por volta de dois bilhões de vezes. Já passei por este número, com certeza, pois com 70 anos, o meu motor já bateu mais de dois milhões e quinhentas mil vezes. Porém, quando estamos em repouso, este corpo não requer tanto oxigênio para viver e o sangue pode levar aproximadamente um minuto para dar a volta completa. Aí o coração bate em ritmo de bradicardia. Estamos vivendo menos, neste momento. Porém, nem força é necessário que façamos. Basta que uma emoção mais forte chegue ao nosso cérebro para que ele, o coração, se apresse. Bata com mais vigor, até com frequência mais alta, podendo chegar até uma taquicardia, quando o batimento cardíaco ultrapassa a cem por minutos. E aí a vida é mais intensa. Mais vibrante. Você vê que os momentos são importantes na vida.

    Para mim, este é o verdadeiro sentido de Carpe Diem e seus versos deixaram, e ao meu ver muito bem, para trás a esperança. O dia futuro. O amanhã, para vivenciar o dia de hoje. E digo mais o presente mais presente que pudermos ter, o nosso momento mágico.O momento mágico é aquele que podemos legar aos nossos descendentes, ao mundo que um dia ficará, em nosso amanhã, quando voltarmos às cinzas. Penso que viver o presente com intensidade não é viver futilidades, buscar prazer no batimento do coração, apenas pelo prazer momentâneo, mas usufruir deste momento para legar nossa existência, com toda a força de nosso espírito, para o depois.

    Carpe diem é o aproveitar o “dia de hoje” para restar no amanhã. Não seremos apenas – como disse – apenas cinzas, e nem mesmo esperança, mas um legado de conhecimentos, de arte, de cultura que pode fazer diferenças no amanhã. Vejo isto com claridade nos grandes esteios da filosofia, nos artistas mais geniais da existência humana, nos professores mais influentes de nossa história. Eles viveram intensamente o presente e nos deixaram frutos maravilhosos que pavimentam o dia de hoje, o carpe diem de cada dia.
    Adorei seus versos.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Eu compreendo a expressão “Carpe Diem”, também sob o prisma de viver o momento presente da melhor forma possível. Parto da premissa de que, ao viver bem o agora, significa que você aprendeu com as lições do passado e está se preparando para o futuro. Pois não podemos nos apegar ao passado, assim como jogar sobre o futuro todos os nossos compromissos com a vida. A vida de cada um de nós se resume no presente. E é baseado nele que teremos um passado digno de ser lembrado, ou não, e um futuro de qualidade, ou não.

      Sabe, amigo, embora compreenda que a esperança seja uma alavanca em nossa vida, quando ela pesa demais, passa a ser um entrave, pois vira omissão em contraponto à ação. Não podemos esperar para ser sujeitos valorosos, comprometidos, humanos e generosos no futuro. Ser inteiro e comprometido com a humanidade, com os animais, vegetais e com a vida de nosso planeta como um todo não deve ser uma meta em longo prazo, mas algo que esteja acontecendo agora, no presente momento.

      Penso eu que, assim agindo, estarei trabalhando nos três tempos de minha finita vida: passado, presente e futuro, sempre esperando um pouco menos, e amando um pouco mais.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Alfredo Domingos

    Lu,
    Aprecio a ideia do “Carpe Diem”, em função de se aproveitar o momento, sem loucuras, mas usar toda a pista, na direção de conquistas e prazeres sadios e interessantes. Entendo, no entanto, que a esperança bem fundamentada cai muito bem. Tendo uma base para esperançar, por que negá-la? Exemplos: se estudei, posso ter esperança de passar em um concurso; se treinei na minha bicicleta, posso almejar ganhar a corrida; e se trabalhei com afinco, posso esperar ter um teto. A esperança, consciente, pode alavancar realizações.
    Abração,
    Alfredo Domingos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      Você está coberto de razão.
      Mas é preciso não fazer da esperança uma muleta, paralisando a vida, esperando que tudo caia do céu. Nossa vida deve ser plenamente vivida a cada segundo. Os antigos eram costumeiros em acreditar ao amanhã, a responsabilidade para serem felizes.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *