A BOA MARMITA DE CADA DIA

Autoria do Dr. Telmo Diniz

 abomadeca

Em tempos de crise, quando comer fora de casa está pela hora da morte, o uso da marmita volta à moda. As marmitas, também chamadas quentinhas, são pequenas porções de comida levadas pelas pessoas em recipientes individuais. E, quem acha que marmita é coisa de trabalhador pobre, se engana. Muitos encontram nessa opção uma forma de manter a saúde do corpo e do bolso, em dia. Levar marmita para o trabalho é uma atitude cada vez mais comum entre as pessoas, não só para quem quer economizar, mas também para quem quer se alimentar de forma saudável.

A segurança de saber a procedência da comida é outra razão que faz com que as pessoas adotem o hábito da marmita. Mas alguns cuidados básicos devem ser observados. Os recipientes plásticos são os mais práticos atualmente. Entretanto, para aquecer o alimento no micro-ondas, deve ser mudado para um prato. Pois os vasilhames plásticos liberam substâncias nocivas à saúde das pessoas. Os recipientes de vidro são os melhores para irem direto ao micro-ondas, embora carregam o inconveniente do peso. Os antigos recipientes de alumínio alteram o sabor do alimento, e podem aumentar a exposição ao alumínio, com consequências neurológicas no longo prazo. O ideal é que a marmita tenha divisões internas. Quem vai fazer longos trajetos, de casa até o trabalho, deverá usar uma bolsa térmica para evitar que o alimento se estrague no caminho.

Antes de montar a marmita é importante que a pessoa saiba às quantidades ideais de cada grupo de alimentos. Ou seja, metade da marmita deve ser preenchida com verduras e legumes e a outra parte deve ser dividida igualmente entre carboidratos e proteínas de origem animal (carnes) ou vegetal (feijão e lentilha). Uma fruta como sobremesa também é bem-vinda. Os alimentos quentes devem ficar separados dos frios – daí a preferência pelos recipientes que contêm divisórias, ou levem a salada à parte.

O grande desafio das marmitas é ter onde armazenar ou esquentar. Por isso, as nutricionistas normalmente recomendam composições de fácil manejo e consumo, como uma salada completa com grãos (grão de bico, quinoa, lentilha, feijão fradinho), uma proteína na forma desfiada (frango, atum, rosbife), vegetais de baixa caloria (brócolis, palmito, aspargos, abobrinha, berinjela, tomate) e folhas diversas. O tempero ideal é aquele levado à parte, com azeite extravirgem aromatizado com a erva da sua preferência (sálvia, louro, coentro, manjericão ou tomilho).

Portanto, vários são os motivos para o preparo da marmita nos tempos atuais. Primeiramente, a qualidade do alimento, onde você tem a total certeza da procedência dos alimentos e como eles foram preparados. Segundo, se estiver de dieta, saberá dosar a quantidade exata para seus objetivos. Terceiro, terá o alimento certo e na hora que precisar, pois sabemos que, no dia a dia corrido, perder uma refeição por falta de tempo e comer uma coxinha de catupiry ou uma empada salgada pode ser uma tentação. E por último, a economia é uma certeza. Então, o que está esperando? Bom apetite!

2 comentários sobre “A BOA MARMITA DE CADA DIA

  1. Rui

    Lu
    São muitas as pessoas que levam marmita para o trabalho aqui em Portugal, onde há muito que isto está em moda. Como diz o doutor Telmo é bom saber a procedência da comida. É saudável para saúde e para a carteira, tanto aí como aqui.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Não resta dúvida de que a comida caseira é muito mais saudável e sai bem mais barata, pois os restaurantes abusam no preço e reaproveitam tudo, e nem sabemos como o fazem.

      É bom receber seus comentários de novo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *