A DEPRESSÃO E A TELA DO ARTISTA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

dete 

O casal opunha-se vigorosamente ao tratamento do filho, pintor precoce, ainda na adolescência, depois que esse foi diagnosticado com transtorno de humor, mesmo após ouvir as explicações do especialista:

A depressão é uma doença de modo completo, em uma ampla variedade de apresentações. Os transtornos causados por ela são devastadores. Pode surgir sem uma causa aparente, afetando o funcionamento do cérebro e do organismo como um todo, alterando a percepção que a pessoa tem de si mesma e dos outros. Provoca imenso sofrimento e pode prejudicar de forma desastrosa as relações sociais e familiares do paciente. O contraste entre um paciente depressivo e um recuperado é o mesmo que entre presença e ausência, entre prisão e liberdade.

Mas não era bem assim que pensavam marido e mulher em relação à doença. Amedrontava-lhes a possibilidade de que os antidepressivos pudessem interferir na criatividade do filho, modificando-lhe a personalidade e a capacidade criadora. Ponderou a mãe:

O nosso menino precisa dessa agonia esporádica para pintar seus valiosos quadros, admirados em todo o país. Apesar de doída, a depressão é um sentimento nobre para o artista, pois lhe dá alma para criar. Sem falar que as crises são passageiras. Vão embora, quando menos se espera, e ele volta a ser a mesma pessoa de antes: falante e encantadora, como se tivesse saído da escuridão para a luz plena. Ele emerge mais forte, mais completo e humano. E seu senso estético fica ainda mais aguçado, mais perceptivo do que antes.

O médico pacientemente argumentou:

Senhora, o glamour que atribui à depressão é um mito que vem desde a Antiguidade até os nossos dias, pois não se trata de uma melancolia passageira. Essa leveza, no vai e vem, que ela apresenta, é enganadora, comum aos estados iniciais. Mas, se não tratados, com o passar do tempo os ataques vão ficando recorrentes, duram mais tempo e respondem com menos presteza às intervenções médica. Cada episódio confere mais força ao próximo, pois cada um é fator de risco para uma vida de transtorno de humor recorrente e crônico. A depressão é uma doença incondicional que envelhece os pacientes prematuramente, ataca a memória e a saúde em geral. Ela é debilitante, progressiva e violenta em sua trajetória. Depressão é o oposto de liberdade.

O pai retrucou agressivamente:

A medicina acumula uma série de erros e enganos em sua caminhada. Nem tudo que apregoa pode ser levado a sério. A arte não pode conviver com a alegria apenas. O artista precisa enfrentar o sofrimento como uma forma de virtude, para se aprimorar. A arte nasce do relacionamento de ambiguidade com o mundo e com o desejo de transformá-lo em algo diferente. A arte não existe sem a dor da culpa. Seria Van Gogh o artista que foi sem a depressão que lhe corroía a alma? E Nietzsch? E Kierkegaard? E Poe? O sofrimento, meu caro, é pré-requisito para a genialidade. O transtorno de humor faz parte do temperamento artístico e, assim sendo, os sintomas da depressão são apenas características da personalidade.

O especialista ainda tinha esperanças de mudar a visão ultrapassada do casal e, por isso, continuou o debate:

Senhor, permita-me deixar de lado a vida das pessoas mencionados e me ater ao problema aqui tratado. Se o seu filho tivesse um câncer, o senhor não lhe negaria tratamento, pois, se o fizesse, responderia pelo grande mal que faria a ele. No entanto, nega-se a tratar seu transtorno de humor. O senhor se responsabilizará pelo mal que a depressão lhe causará? Quem pode lhe garantir que ele não venha acometer um ato impensado, já que o dano pessoal é sempre um risco em tais casos? Será que não é capaz de entender que seu garoto pede ajuda? Digo-lhe que, além disso, a depressão pode ser fator de risco para o infarto e doenças do coração. Quanto mais tempo ela perdurar, mais a pessoa estará sujeita ao transtorno de humor recorrente e crônico, com danos ao cérebro, à corrente sanguínea e ao resto.

Irritada a mãe assumiu o controle da conversa:

O senhor, por acaso, está nos chamando de irresponsáveis depois de misturar alhos com bugalhos? Comparar o câncer com as mudanças de humor é realmente um absurdo, partindo de um médico. Quem não tem momentos de ansiedade, tristeza, vontade de se alienar ante este mundo tão complexo? A depressão faz parte da condição humana. Ela é sinal de conscientização e não alheamento às cruezas e arbitrariedades do mundo. Ela é um contato permanente com a finitude da vida, além de instigar a criatividade do artista. Vejo no comportamento de nosso filho apenas a postura de um rebelde e de um crítico social que colocará na sua obra toda este seu desacordo com o mundo, tornando-a profundamente humana e bela.

Já cansado, o médico encerrou o assunto da seguinte forma:

Senhores, a depressão é para nossa cultura, o que a tuberculose foi há oitenta ou cem anos: uma doença que significava refinamento, com indícios espirituais, ou uma fase necessária de questionamentos e de suma importância para o crescimento dos valores artísticos e culturais. Atualmente, ninguém quer ser um tísico ou indaga se a ausência da peste cinzenta acabou com a criatividade do artista. Espero que um dia aconteça o mesmo com a depressão, pois ela é mais enganadora do que qualquer um de nós pode imaginar. Nada mais tenho a lhes dizer, a não ser que nós somos responsáveis por nossas circunstâncias. A oportunidade faz a sua parte, mas nós colaboramos ou não.

 (45 dias depois)

Domingo, 8 horas da manhã. O jovem artista precoce acabou de pintar a sua última tela com o próprio sangue. Um tiro, disparado à queima roupa, atravessou-lhe o coração. Seu corpo foi encontrado sobre a tela totalmente rubra.

Obs.:
As informações sobre a depressão encontradas no meu conto foram retiradas do livro do Dr. Peter D. Kramer/ Enfrentando a Depressão/ Editora Melhoramentos.

Nota: Imagem copiada de http://www.myspace.com/xblackbassx/photos/9577914

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *