A ESCADA DA ASCENSÃO DIVINA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

bio1

Esta é uma das obras que me fazem embrenhar no tempo e ficar imaginando a vida de terror que levavam os cristãos da época. Como nas ditaduras, o convencimento dava-se através do medo, não de armas, mas do inferno. Quanto mais temor fosse incutido na indefesa vítima, maior era o fervor. Sob certo ponto de vista, os fiéis eram acorrentados à fé pelo medo que tinham desse lugar de tormentos, para onde iam as almas em pecado, segundo a crença, coisa que ainda vemos acontecer nos dias de hoje em inúmeros credos.

Voltando à gravura, trata-se de uma ilustração de um tratado de fé, escrito pelo monge cristão John Klimakos, no século VII, inspirado no sonho de Jacó, descrito no livro Gênesis, em que o autor descreve os 30 passos necessários para o homem evoluir, de modo a ganhar a salvação espiritual. A obra bizantina A Escada da Ascensão Divina, de artista desconhecido, é do final do século XII. Ela representa a principal metáfora do texto do monge.

A escada em questão divide a ilustração em duas partes iguais, ao formar uma diagonal. Na parte superior da gravura encontra-se o céu e na inferior o inferno. No alto da escada está o monge Klimakos,  já quase chegando ao último degrau da escada, que leva ao paraíso. O que significa que ele seguiu os 30 passos da evolução espiritual, tendo recebido a recompensa prometida.

Na parte superior direita da gravura, Cristo, de braços abertos, aguarda os monges que venceram o pecado, ao seguirem as recomendações de John Klimakos. Vê-se, porém, que não é fácil alcançar o paraíso, pois demônios puxam para o inferno aqueles que não foram fiéis a todos os passos da evolução espiritual. Cristo usa vestes de cores vivas que contrastam com a cor sombria das dos monges e com o preto dos demônios.

Um grupo de anjos, usando trajes festivos, em pose de oração, presentes no canto superior esquerdo da ilustração, reza para que os fiéis consigam subir a escada e chegar ao paraíso, imunes à tentação dos demônios. O monge John Klímakos, com suas vestes pretas, é o primeiro da escada, já tendo completado sua jornada. Abaixo dele está o bispo Antonios, inspirando os que vêm atrás, com vestes diferentes, em razão de seu status.

Nove demônios alados tentam puxar os monges para o inferno. Dois deles lançam flechas, outros usam grandes lanças, martelo ou cordas. Sete monges já despencaram da escada, por não terem alcançado as virtudes ensinadas no tratado. Os personagens mostram-se amedrontados, como se pedissem clemência.

No canto inferior direito, um grupo de monges reza por aqueles que estão subindo, enquanto espera sua vez. Parecem angustiados e temerosos. Um monge, com vestes alaranjadas é empurrado para dentro da boca do inferno, não sendo mais possível ver sua cabeça, enquanto outro tomam o mesmo caminho.

Dados técnicos:
Autor: desconhecido
Ano: final do século XII
Técnica: têmpera em folha de ouro sobre madeira
Dimensões: 41 x 29,5 cm
Localização: Mosteiro Ortodoxo de Santa Catarina, Sinai, Egito

Fonte de pesquisa:
Tudo Sobre Arte/Editora Sextante

2 comentários sobre “A ESCADA DA ASCENSÃO DIVINA

  1. Reini Dantas Leal

    A escada da ascensão divina:
    Pelo que já estudei e refleti em algumas passagens da bíblia, essa do livro Gênesis é muito profunda revela que humanamente, temos a missão de crescer e evoluir com intuito de transmutar os sentimentos da carne para a essência divina espiritual, com a finalidade de voltar à eternidade, da casa do Pai Criador.
    Para isto, o relato do sonho de Jacó, “A escada de Jacó”, simboliza a união espiritual entre o homem e o céu. E para alcançar tamanha graça de escalar todos os degraus da escada da vida é preciso realizar boas obras, ações e a prática constante das virtudes éticas, morais, solidária e acima de tudo, a prática da caridade e do amor, em benefício de todas as vidas presentes da natureza universal.
    Difícil é seguir retamente as virtudes do bem comum e chegar ao último degrau para adentrar pela porta do céu. Afinal, somos humanos que vivemos com a bipolaridade do bem e do mal. Conquistar e praticar a santidade da fé cristã, dói e requer muita fé e perseverança.

    Beijos

    Reini

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Reini

      Achei esta pintura muito interessante, em se tratando da época em que foi feita.
      A simbologia é bem real.
      Precisamos nos tornar melhores a cada dia, subindo um degrau de nossa humanidade.
      E como você disse, levando em conta os valores morais e éticos.
      A solidariedade e a compaixão são o corrimão dessa escada.

      Gosto muito dos seus comentários, pois são muito profundos.
      Gosto de contar com a sua presença no blog.
      Venha todos os dias.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *