A EXILADA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

micro12

Ela se queda silenciosa no convés do navio.
A terra afasta-se numa elevação esverdeada.
Seus olhos abraçam o azulado celeste do céu.
O navio singra em direção à nova morada.

O vento mistura seus pensamentos confusos,
qual bando de mariposas no luzir do lampião.
Nuvens ágeis fazem sombreados no oceano,
e lágrimas banham-lhe o rosto… em vão.

O mar empina-se e se entope de força bruta.
Lança nos rochedos sua colcha de espumas
que se refaz, altera-se e volta a tomar forma,
tal como a vida que não para, apenas singra.

A luz do sol há muito dissipou no horizonte.
Ela agora é banhada pelos finos raios da lua.
O timoneiro segue guiando a nave pra longe.
As lembranças dela não navegam, flutuam.

Estrelas aviam-lhe abraços em código Morse.
Dizem-lhe que tudo na vida é impermanente,
e aquilo que ora a atormenta e machuca, um
dia, com certeza, não se fará mais presente.

O alumiado do navio expele reflexos tênues,
deixando nas águas do oceano marcas sutis.
O pranto doído da exilada esvai-se pelos ares,
cheio de saudades de seu povo e de seu país.

 Nota: Imagem copiada de portuguese.ruvr.ru

6 comentários sobre “A EXILADA

  1. Pedro Rui

    Lu, dia após dia vejo que tu és mesmo muito sensível, preocupas-te com todos, humanos, animais viventes, fico feliz. Exílio,quem se encontra nele é muito complicado, quanto ao poema… não sei se é dedicado a alguém, mas gostei do que li.
    Abraços
    Rui Sofia

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Este poema é dedicado a todos as mulheres de todas as partes do mundo, que precisaram se exilar de seu país, deixando tudo para trás.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Beto

    Lu,

    O médico cirurgião cubano de 37 anos, em missão humanitária na Nicarágua, sozinho há meses num exílio forçado em outro país e com mulher e filhas o esperando na Ilha da Utopia, não suportando as ameaças dos seus superiores que os controlam com truculência em todos os passos quando atuam em outros países, não suportando mais a tortura da privação de liberdade imposta pela ditadura em seu país, fugiu e pediu asilo num país democrático.

    Agora livre e com um salário 15 vezes maior num país livre (ganhava somente US$ 250.00 na “missão”) fez uma declaração comovente do seu maior desejo, estando no exílio: trazer a sua família e refazer a sua vida.

    É no exílio, voluntário ou não, que sentimos o valor da LIBERDADE.

    Libertas Quæ Sera Tamen

    Um grande abraço,

    Beto

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Beto

      Compreendo a sua indignação.
      Nenhum governo tem o direito de privar seu povo de liberdade.
      Nós já passamos por isso e tomara que esse terror nunca mais volte.

      Horriza-me até o fato de ver pássaros presos em gaiolas, ou animais em pequenos zoos.
      Acho um absurdo.
      Tomara que ele consiga trazer sua família e conhecer a felicidade de se sentir livre.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. André Barros

    Lu, que bela homenagem! Estou passando para lhe dizer que enfim eu conheci a Célia Maria pessoalmente! Estamos passando 07 dias na Paraíba, e foi confirmada a sua suspeita de que eu estaria realmente muito apaixonado por ela. A Célia é um encanto de mulher e estou verdadeiramente apaixonado por ela.

    Um grande abraço;

    André Barros

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      André

      Só me resta congratular com vocês dois.
      Estou muito feliz por vocês estarem juntos.
      Espero que este exílio apaixonante seja para sempre.

      Beijo no coração,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *