A GAFE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

gordin

Moça de boa família (mas sem exagero),
fui criada coo o uso das palavras mágicas:
Licença! Obrigada! Desculpe! Por favor!

Dias desses, liguei pra certo serviço, e
me atendeu uma moça muito educada.
Antes que eu lhe dissesse alguma coisa,
foi pedindo desculpas pelo transtorno,
pois o telefone havia mudado e, gentil,
repassou-me o número novo.

De modo a retribuir tamanha gentileza,
dei à moça cortês tratamento semelhante:
– Obrigada, senhorita, você é muito gentil!
E, para concluir com maior fidalguia,
completei com um amável arremate:
– E tenha um bom dia!

Só ao notar que o palavrório se repetia,
tal e qual começou esta minha poesia,
foi que caí em mim – perplexa, zonza,
quase mordiscando minha língua tonta.
Ai, meu Deus, que engano tolo e infeliz!
Tratava-se de uma secretária eletrônica!

Sinto muito, minha mamãe e meu papai,
vou ter que esquecer as regrinhas básicas,
pois não dá mais pra ser “moça de família”,
coexistindo com tantos fios e máquinas,
que fazem uma pessoinha muito educada,
passar por panaca, bronca e parva.

Ao fazer tal relato pra um dos meus amigos,
não sei se por pena, ou se aconteceu de fato,
consolou-me o zombeteiro: “minha esperta tia,
sempre boa de lábia e calibrada na astúcia,
deu a mancada de pedir à voz no telefone:
– Moça, bote, por favor, outra música, pois esta
está se repetindo em demasia.”

 Nota: pintura do pintor italiano Agnolo Bronzino

2 comentários sobre “A GAFE

  1. Pierre Santos

    Lu, não vi gafe alguma no que nos contou. Acho que todos já caímos em algo semelhante alguma vez na vida. Agora, que eu ri de você, isso eu ri, porque deve ser muito gozado falar com uma secretária eletrônica. Em todo caso, acho que também é incomum falar-se com a voz que atende e encaminha em alguma firma, ao telefone. Pois já tentei falar com uma dona destas e quebrei a cara. Vingue. Ria de mim. Merecemos.
    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      PP

      Imagine você com mil tarefas, com a mente diluída em mil e um pensamentos e se lembra que precisa dar um telefonema com urgência… e não deu outra… risos. Achei que estava falando com gente de carne e osso. Foi bom que caí depois na risada e ri… ri… ri…
      Acabei relaxada.
      Até tu, Brutus? Hahahahhaahahahahahha

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *