A HISTÓRIA DE SABA É INDICADA AO OSCAR

Autoria da Avaaz

saba

Parabenizamos V. Exas pela promessa de tomar medidas contra os crimes de honra. Pedimos às senhoras e senhores que ajam imediatamente para mudar a lei e fechem essa brecha, que apenas protege criminosos, para garantir que eles sejam levados à Justiça. Também pedimos que V. Exas lancem uma ampla campanha de conscientização para acabar com estes crimes contra mulheres e criem a infraestrutura necessária para permitir que elas busquem proteção. (Carta da Avaaz às autoridades paquistanesas)

A jovem paquistanesa Saba casou-se com o homem que amava. Contrariado, seu pai deu-lhe um tiro na cabeça, colocou-a num saco e jogou seu corpo no rio. Ele se safou do crime, pois uma brecha na lei paquistanesa permite aos homens cometerem os chamados “crimes de honra”. Incrivelmente, Saba sobreviveu e sua história se tornou um exemplo para acabarmos com essa monstruosidade. Temos quatro dias para ajudá-la!

A história de Saba virou documentário e foi indicado ao Oscar, conquistando a imprensa. Em resposta, o primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif prometeu acabar com estes crimes hediondos, e fontes dizem que ele instruiu sua filha Maryam, a nova face de seu partido político, a tomar a frente da mudança da lei. Só que ativistas locais temem que a lei só será aprovada se a repercussão em torno da indicação do documentário ao Oscar for grande e a pressão popular crescer ainda mais.

Precisamos urgentemente juntar um milhão de assinaturas para apoiar a aprovação desta lei antes do Oscar, no domingo, e garantir que a história de Saba tenha repercussão global. Vamos depois entregar as assinaturas diretamente ao primeiro-ministro para ajudá-lo a aprovar uma lei realmente forte. Assine (link no final do texto) e compartilhe com todos, antes que o momento passe.

Saibam também que uma mulher é morta a cada 90 minutos em algum lugar do mundo por crimes de honra. Embora o Paquistão tenha aprovado uma lei, em 2014, contra estes homicídios, 70% dos criminosos no país saem ilesos por conta de uma brecha na lei. Se uma mulher for vista “envergonhando” sua família, recusar um casamento arranjado, olhar para alguém por “tempo demais” ou mesmo se for estuprada, um homem pode matá-la, se um membro da família perdoá-lo pela morte! Mas não há honra em matar uma mulher – esses homens veem as mulheres apenas como sua propriedade. A brecha do “perdão” protege esse direito absurdo.

Um projeto de lei para acabar com tal brecha já tinha sido apresentado, mas não foi adiante, pois não havia apoio de um parlamentar influente do governo. Mas o primeiro-ministro, que nunca fez nada pelo tema antes, prometeu reformas na lei para acabar com os crimes e envolveu sua filha, considerada herdeira do partido político do pai. Obviamente vai haver oposição, mas especialistas dizem que, se colocarmos o Paquistão sob os holofotes da comunidade internacional, nós conseguiremos dar a Saba, a Maryam e às ativistas feministas em todo o país, o apoio que elas precisam para mudar o sistema.

Temos quatro dias para garantir que o Congresso do Paquistão sinta a pressão mundial e não pararemos até que a brecha do “perdão” seja retirada da lei paquistanesa. Vamos nos certificar de que o documentário sobre Saba, no Oscar, tenha repercussão e levar nosso apelo direto para os governantes paquistaneses. Assine e compartilhe agora (link abaixo do texto)

Podemos realizar isso. Quando Malala levou um tiro na cabeça com apenas 15 anos, o mundo se revoltou e quase um milhão de pessoas pediram que o governo paquistanês realizasse seu sonho de educação para todos. À época, após nossa petição ter sido entregue diretamente ao presidente paquistanês, ele lançou um programa de bolsas para três milhões de crianças. Isso é o que acontece quando nos unimos em prol de uma causa. Vamos nos unir pelas mulheres corajosas do Paquistão e ajudá-las a criar leis que possam protegê-las, alimentar uma cultura de defesa da dignidade e nutrir comunidades que apoiem as mulheres e seu direito de escolher o próprio destino

ASSINE AGORA (Clique, aguarde abrir e assine)

Mais informações
• Filme sobre assassinatos de filhas por pais provoca reação no Paquistão (G1)
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/02/filme-sobre-assassinatos-de-filhas-por-pais-provoca-reacao-no-paquistao.html
• ‘Pela honra’, paquistanês atira no rosto da filha em crime que virou documentário (UOL)
http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/the-new-york-times/2016/02/02/pela-honra-paquistanes-atira-no-rosto-da-filha-em-crime-que-virou-documentario.htm
• Não são crimes de honra, são homicídios (Expresso)
http://expresso.sapo.pt/blogues/bloguet_lifestyle/Avidadesaltosaltos/2016-02-15-Nao-sao-crimes-de-honra-sao-homicidios
• Paquistão: jovem é agredida pela própria família e sobrevive (Terra)
http://noticias.terra.com.br/mundo/asia/paquistao-jovem-e-agredida-pela-propria-familia-e-sobrevive,83db68e81a376410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html
• Quase mil mulheres morreram no Paquistão por crimes de honra (Exame)
http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/quase-mil-mulheres-morreram-no-paquistao-por-crimes-de-honra
Paquistanesa grávida espancada até à morte por familiares (Diário de Notícias)
http://www.dn.pt/globo/interior/paquistanesa-gravida-espancada-ate-a-morte-por-familiares-3939503.html

12 comentários sobre “A HISTÓRIA DE SABA É INDICADA AO OSCAR

  1. Rui

    Lu

    Nós devemos com mais força internacionalizar, buscar, levar muitos conosco na luta. Corrigir o que está mal, a esperança sempre é a última. Obrigada Lu pela dedicação, a sua força faz a diferença.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Para alegria nossa, o documentário sobre Saba foi vencedor do Oscar, O que reforçou nossa luta.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Rui

    Lu
    Nem a Ester sofreu tanto no século V. Naquele país comportam-se como os prótons, nêutrons,como elementos pesados e leves, os últimos levam com “brecha”, está errado e muito. Na verdade o “buraco” é mais abaixo, pois se uma casa começa pelo alicerce,neste caso deve-se começar pela educação,certamente também as leis. As pequenas formigas são exemplo para alguns. É preciso acabar com este machismo cruel. Nós vamos fazer a diferença.

    Abraços, irmã além-mar!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Nós já estamos fazendo a diferença ao assinarmos e buscarmos mais pessoas que o façam. Poderemos dizer com alegria que ajudamos as mulheres longínquas do Paquistão.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Josefina Maria

    Tudo que for a favor das mulheres, para acabar com o sofrimento das nossas iguais, eu assino, com muito prazer! Este tipo de comportamento tem que acabar.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Josefina

      Em nome dessas mulheres tão desprezadas e judiadas eu agradeço o seu importante empenho. Convide também seus amigos e amigas para assinarem. Quanto mais assinaturas tivermos, mais forte seremos nós para provocar mudanças.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder
  4. Katia Aparecida

    Lu
    Fico triste que ainda existe esse tipo de sofrimento para as mulheres. Corta meu coraçao saber as condições em que elas vivem. O único problema é que não tenho cartão de crédito e gostaria muito de ajudar. Se eu puder ajudar com o mínimo estarei à disposição. E que DEUS proteja o grande trabalho de vocês.

    Por gentileza, avisem-me se posso ajudar. Será um grande prazer. Boa sorte pelo excelente trabalho. O mundo precisa de mais pessoas como vocês. Parabéns!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Katia

      É maravilhoso encontrar pessoas que se condoem com suas irmãs mulheres em outras partes do mundo, como você. As condições em que elas vivem, sob um machismo cruel, é mesmo de cortar o coração. Qualquer coisa é motivo para matá-las.

      Amiguinha, você pode ajudar, sim. Basta assinar, conforme explica o texto, e arranjar mais pessoas para assinarem. Quanto mais assinaturas tivermos, mais teremos forças para exigir mudanças no Paquistão, relativas à situação das mulheres. Esta campanha está sendo feita no mundo todo e, neste primeiro momento, as assinaturas são importantes para obtermos uma vitória.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Rui

    Lu
    Estou sempre atento à organização Avaaz. A brecha da lei é um absurdo. Se for válido, assinarei novamente, estou de acordo com o texto, juntos fazemos a diferença. A Saba não morreu, ficou como destemunha de tal horror. A cultura daquele país é muito injusta com as mulheres. Nós podemos e devemos fazer a diferença. O erro é grande demais.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Só pode assinar uma vez. Quando assinamos duas ou mais, o programa elimina. Realmente é um absurdo o tratamento dado às mulheres. É um crime sem conta. E olhe que vivemos no século XXI. Aquela gente continua na Idade Média.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Rui

        Amiga Lu

        Temos que ser positivos. Realmente estamos no século XXI, mas eles pararam no tempo e as mulheres pagam pela dita “brecha” Espero com toda a força de meu coração, que a lei mude para melhor assim como a educação. Eles precisam apostar mais nas mulheres. Estou esperançado que todos juntos façamos a diferença.

        Abraços Lu, irmã de além-mar.

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Rui

          Se nos unirmos, poderemos fazer toda a diferença em prol das mulheres do mundo islâmico. É preciso tirar as mulheres dessa servidão. Precisamos, juntos, acabar com essa “brecha”. As mulheres precisam ser educadas para lutarem por seus direitos.

          Abraços,

          Lu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *