A LÍNGUA PÁTRIA MERECE RESPEITO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

linpat

Mexer com repartições públicas não é fácil! Fui protocolizar um documento numa certa repartição e o funcionário me pediu cinco dias para me disponibilizar a resposta. Retornei no prazo, mas o documento não estava pronto. Obstaculizaram tanto, que tive vontade de brigar. Só não o fiz por causa que decidi tomar a água da paz. Se eu intervir será pior. Mas já fazem 8 dias e nada. Eu vou estar enviando tal documento para um órgão em Brasília, que vai estar me pagando um montante até a primeira quinzena de outubro.  Mas, se passado o prazo, vou estar sendo prejudicada. E, enquanto pessoa humana, eu me sinto desrespeitada nos meus mais elementares direitos, pois a minha questão deveria ser tratada a nível de hierarquia de prazo. Perder dinheiro é correr risco de morte, pois nunca sabemos o que nos aguarda o futuro.

Como não sou de aceitar injustiças calada, passei a emeiar para todos os responsáveis pelo órgão, embora saiba que essa gente não irá deliverar nada. Estou printando tudo que envio, para entrar judicialmente contra a repartição. Não vou deletar as correspondências enviadas, pois restartar o que se perde não é fácil. Apesar de tudo, espero que eu seje atendida. Preciso de ter paciência, é verdade. Se o funcionário dispor de boa vontade, tudo será resolvido. Sou uma pessoa extremamente responsável. Qualquer coisa que for para mim fazer, eu acato com responsabilidade. Mas nem todo mundo é assim.

Nossa! O meu texto acima ficou um horror. Massacrei a língua portuguesa. Vejamos onde cometi erros:

1- Quando o verbo “fazer” indica tempo, ele é sempre impessoal – Faz dez anos que ele se foi.
2- Por causa de que é um horror e nem existe. Use: Porque decidi…
3- … que eu seje… Não existe tal palavra em português. Use: que eu seja
4- … preciso de ter… O verbo precisar no sentido de ter necessidade e seguido de verbo no infinitivo, não aceita preposição. Fica: Eu preciso ter paciência.
5- … se eu dispor…, se eu intervir… Os verbos derivados de ter, vir e pôr não podem ser conjugados de forma regular. Correto: … se eu dispuser, … se eu intervier
6- … para mim fazer. O pronome oblíquo não funciona como sujeito. Seria: … para eu fazer.
7-  O gerundismo virou uma praga no Brasil, depois do “telemarketing”. O futuro do presente do indicativo está sendo abandonado. Gramaticalmente não está incorreto, mas o excesso de verbos ofende os ouvidos e a beleza da frase. Deve ser evitado. Em vez de:
Eu vou estar enviando... Use: Eu enviarei
8- … a nível de hierarquia. É uma forma de tornar “afetado” o que deveria ser simples. Não possui função alguma na frase. Use: … tratada por hierarquia.
9- Disponibilizar, protocolizar, obstaculizar – Está havendo um exagero no uso dos verbos terminados em “izar”, coisa comum no “economês”. Seu uso torna a linguagem pesada e deselegante. Evite!
10- … risco de morte – É um modismo criado por certos gramáticos amadores. No caso de risco de vida tem-se uma elipse: risco de (perder a) vida. Pode-se dizer: risco de vida.
11- … enquanto pessoa humana – Redundância desnecessária, pois não existem pessoas caprinas, bovinas…
12- Não deveriam ser empregadas nunca: off/sale, emeiar, target e deliverar.
13- Use com cautela: printar, deletar, restartar. Sempre que possível use palavras mais elegantes: imprimir, apagar, reiniciar.
14- Download e dumping –  não possuem equivalentes em português.
15- E-mail corresponde a “mensagem”, mas o termo em português é muito genérico.
16- Site, show e mouse – podem ser usadas à vontade.
17- Você vai… e tu… (pronomes diferentes) – Comum na linguagem coloquial, jamais na formal.
18- Entende? Tá ligado? Sabe?… – Estes marcadores são importantes nos diálogos, como meio de organizar a fala e manter contato com o interlocutor, embora o uso constante torne a fala cansativa.  Não devem ser usados na língua escrita formal.

No uso da linguagem, ser simples denota elegância. O ideal é que sempre se diga mais com menos. Falar ou escrever difícil não é sinônimo de intelectualismo. No seu Sermão da Sexagésima o padre Antônio Vieira recomendava: “O estilo há de ser muito fácil e muito natural”.

Por que é importante ler e o que se deve ler

Enriquece o vocabulário.
Ensina o leitor a organizar seu pensamento.
É indispensável para quem quer se expressar bem.
É preciso ler de tudo (de Machado de Assis aos blogs).
Mostra as muitas possibilidades de se expressar através da língua.
Ajuda o indivíduo a armazenar conteúdos, usando-os quando necessitar.
Ajuda o leitor a se manter afinado com os modos de expressão correntes.

Embora alguns digam que a televisão empobrece a linguagem, tal veículo contribui para a unidade nacional da língua em todo o território, e faz um importante registro da fala contemporânea.

Segundo Marco Túlio Cícero, famoso tribuno romano, um orador deve alcançar três objetivos:
decere (ensinar);
delectare (deleitar, agradar);
movere (comover).

Os mesmos objetivos devem ser observados pelo escritor.

Fonte de pesquisa: Revista Veja/ 11 de agosto de 2010

4 comentários sobre “A LÍNGUA PÁTRIA MERECE RESPEITO

  1. Alfredo Domingos

    Lu,
    Este é um tema que me agrada muito. Considero essencial investir na Língua Portuguesa. Dar exemplos corretos sobre o seu uso. As oportunidades para desmerecê-la são abundantes, então, sempre que pudermos, com esforços aqui e ali, bem praticá-la, entendo que devemos aproveitar. Você, com esta crônica, que poderia estar na classificação de “aula”, está fazendo isso. Sugiro criar no menu do blog, constante da faixa azul acima, um assunto com o nome talvez de “dicas da Língua” ou coisa parecida.
    Parabéns!
    Alfredo Domingos

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      A proposta é ótima.
      O problema é que já tenho tantos assuntos a pesquisar, que não irei dar conta.
      Você gostaria de ficar com esta incumbência?
      Se aceitar, crio uma nova página.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Alfredo Domingos

        Lu,
        Observei o convite feito acima para mim. Puxa, agradeço muito!
        Mas não posso aceitar. Infelizmente, não disponho de tempo. O motivo é o trabalho, que, inclusive, dificulta que eu me dedique à literatura como gostaria.
        Deixo o meu abração, Alfredo Domingos.

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Alf

          Seria uma honra tê-lo trabalhando neste assunto.
          Poderia ser um artigo por semana.
          Quando puder, o blog estará à sua disposição.

          Abraços,

          Lu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *