A MAJESTOSA GARÇA BRANCA GRANDE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Antônio Messias Costa

garca

Majestosa, de linhas alongadas e voo suave, a garça branca é o habitante mais presente na avifauna da cidade de Belém, onde pode ser encontrada em colônias nas grandes árvores das praças e nos refúgios naturais dos Parques do Museu Goeldi, Mangal das Garças e Bosque Rodrigues Alves, muito embora, isolada ou em pequeno número, pode ser encontrada até mesmo em áreas de drenagens da cidade, onde o seu branco contrasta com a sujeira de ambientes contaminantes, o que indica ser um animal já com uma certa resistência natural a infecções.

Na cidade de Belém, elas almoçam no Mercado de Peixes do Ver-o-Peso, namoram na Praça Batista Campos e usam como local de maternidade (nidificam na copa de uma sumaumeira do Parque) o Museu Goeldi. Elas sabem bem usar as oportunidades que a cidade oferece!

Curiosamente, essas maravilhas aladas, cuja beleza às vezes nos é despercebida por serem tão comuns, possuem, na época reprodutiva, acréscimos de penas diferenciadas, sobrepostas às existentes. Essa roupagem associa-se a rituais não muito elaborados na época de acasalamento.

A natureza é sabia, basta prestar atenção no que acontece. Por exemplo, as aves de plumagem bela, de um modo geral, têm um repertório de canto inexistente ou fraco, ao contrário daquelas de plumagem pobre, que compensam a falta de tal atrativo com a beleza do canto para conquistar. Também existem aquelas aves que unem o canto, a plumagem e o ritual na conquista. Tudo isso é feito pelo macho, já que na maioria dos casos, a fêmea tem plumagem opaca e canto pouco elaborado.

Mas, por que a fêmea é muitas vezes menos favorecida em beleza? Assim, ela é menos percebida pelos predadores e tem mais chance de proteger seus ovos na fase de incubação e, posteriormente, a sua prole. O macho usa o canto para defender seu território e também atrair as fêmeas. Durante a fase de conquista, o macho que se sai melhor, normalmente o mais elaborado e persistente, será o escolhido pela fêmea, e terá a chance de passar geneticamente as suas características e “performances” para as gerações futuras, contribuindo para a perpetuação da espécie, evidentemente se as agressões humanas assim o permitirem.

Um fato inusitado ocorreu em um viveiro coletivo de aves do Parque do Museu Goeldi, em Belém, onde havia muitas garças. Na época de reprodução, uma ave de dentro do viveiro compartilhava a feitura de um ninho no alto do telame, com uma garça de fora, isolada do grupo interno. O que de fato ocorria era que a competição presente no grupo interno, ou mesmo a desproporção entre machos e fêmeas, colocou de escanteio alguns indivíduos menos competitivos, fato que também pode ter ocorrido na colônia de fora, em uma árvore próxima, daí o enlace que não durou muito, em razão das dificuldades que a barreira física impunha.

Outro fato envolvendo as garças deu-se no final do século XIX, quando eram dizimadas nas regiões de Manaus e principalmente no Pará, para que suas penas fossem exportadas para a Europa, onde a moda era utilizar penas nos chapéus da alta sociedade da época. Foi quando o naturalista suíço, Emílio Goeldi, então diretor do Museu que leva o seu nome em Belém, levantou uma forte campanha contra o massacre a que tais aves estavam sendo submetidas.

A garça branca grande, tem o nome científico de Casmerodius albus, é cosmopolita,  sendo encontradas em vários continentes, tem um amplo cardápio, alimentando-se de peixes, crustáceos, anfíbios, répteis, larvas entre outros itens, fator importante para que tenha se proliferado tanto. É vista em grandes e pequenos grupos ou solitárias. A disponibilidade de alimento e a competição por área de reprodução podem influenciar o seu comportamento em relação ao agrupamento.

Nota: Foto do autor.

9 comentários sobre “A MAJESTOSA GARÇA BRANCA GRANDE

  1. Elias Morais

    Olá autor, não consegui achar a data de publicação, porém só uma correção, o nome científico da garça-branca-grande mudou, vc menciona casmerodius albus, não é mais, desde de 2012 o nome foi alterado para Arde alba (que significa garça sem brilho ou branca) acompanhe a lista de aves do Brasil no CBRO. A ordem pertencente também mudou de ciconiformes para pelecaniformes. A família está mantida na Ardeidae junto com socós e outras garças.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Elias

      Vou repassar o seu comentário para o autor, pois o texto é anterior a esta data.
      Agradeço o seu carinho.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder
  2. Rosalí Amaral

    Messias,

    Muito bacana saber mais a respeito de ave tão imponente e elegante.
    E que venham outros animais, gosto demais.

    Abraços,
    Rosalí.

    Responder
    1. messias

      Rosaly,

      O repertório é grande. Sempre gostei muito de observar o comportamento dos animais selvagens, e fotografá-los também. Na semana que vem escreverei um pouco sobre a cutia.
      Até breve,

      Abraços,

      Messias

      Responder
  3. Carlos A. Pimentel

    Messias,

    Parabéns pelo texto e pela foto. Tenho observado em todas as viagens pelo Brasil, o aumento das garças e a sua presença nos lugares mais inusitados: nas margens do rio Tietê totalmente poluído aqui em São Paulo e nos campos onde há pastagens e grande presença de gado – são normalmente menores se comparadas com as garças que ocorrem na Região Amazônica. Entretanto, nunca observei a presença dessa ave fora do continente Sul Americano. Fiquei surpreso com a sua informação dela ocorrer em vários continentes.

    À propósito, outro dia da janela de um edifício em plena Avenida Paulista em São Paulo, presenciei um falcão Pelegrino numa marquise de um prédio vizinho. Só tinha visto essa ave nos USA e imaginava que a mesma só ocorria no Hemisfério Norte. Um amigo Biólogo disse que elas emigram para o Sul, voltando a seguir para o Norte!

    Um grande abraço,

    Beto

    Responder
    1. messias

      Beto,

      Na realidade existem várias espécies de garças, com variedade de cores e portes. A garça a qual você se refere, é de fato pequena, chamada garça vaqueira, pelo fato de acompanhar o gado pastando, para tirar beneficio dos insetos e larvas que por ventura apareçam. Ela também existe na Amazônia, sendo comum na ilha do Marajó, onde se cria muito gado. Entretanto, existe um quase idêntica a essa, chamada garça-branca-pequena, que não apresenta as pernas brancas como a primeira. Existem: garça cinza, garça-real….
      Mas são animais muito comuns, mas muito bonitos.
      Quanto ao falcão peregrino, pela grande pressão no meio natural, ele acabou se adaptando aos prédios de Nova York onde até mesmo reproduz. Em Belém, no passado, havia até mesmo gavião real ou harpia, sendo que hoje nos resta apenas a lembrança. Obrigado pela participação.

      Abraços,

      Messias

      Responder
  4. messias

    Lu,

    E quem ia pagar a conta?! Não seria melhor libertar o individuo preso? Não fiz isto, na época, porque ao entrar no grande viveiro as aves se misturam, assim era impossível libertar o mais interessado.

    Messias

    Responder
  5. LuDiasBH

    Messias

    Achei muito interessante o fato ocorrido no Museu Goeldi, quando uma garça externa ao ambiente, interage com uma que está dentro.
    As barreiras físicas deveriam ser derrubadas para dar uma chance ao casal.

    Abraços,

    Lu

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *