A MEDIDA DE UM HOMEM

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

homen

A medida de um homem
não é calculada:

Pela cor da pele
Pela língua afiada
Pela religião praticada
Pela força da juventude
Pelo poder conquistado
Pelas ideologias abraçadas
Pela potência dos músculos
Pelos problemas vivenciados
Pelo conhecimento acumulado.

Mede-se um homem,
é fato:

Pela grandeza de seu coração
Pela fidelidade de suas lágrimas
Pela intensidade de seu riso solto
Pela alegria em perdoar e recomeçar
Pela facilidade com que fala de amor
Pela docilidade com que pede perdão
Pela generosidade em rever caminhos
Pela sinceridade em expor suas fraquezas
Pela tolerância com que abraça os diferentes
Pela boa vontade para com todos os seus irmãos.

Benditos sejam todos os homens de boa vontade!

Nota São Jerônimo Penitente – El Greco

4 comentários sobre “A MEDIDA DE UM HOMEM

    1. LuDiasBH

      Mário

      É uma crua verdade.
      O ter há muito tomou o lugar do “ser gente”.
      Muitos trabalham para enriquecer uma minoria.
      É muito triste!

      Responder
  1. Rosalí Amaral

    Lu,

    Muito bonito o seu poema.

    Mas em contrapartida, a vida em sociedade leva o homem à disputas por espaço, posição, reconhecimento, bens e muito mais. Cada ser humano constitui um universo próprio de desejos sem limites, muitas vezes chegando à invasão dos direitos individuais e mostra-se como são verdadeiramente os seus valores: dignidade, sentimento, amor, ódio, conhecimento, intelectualidade, desejo, indiferença. Para muitos, o homem é medido pelo cargo que ocupa, pela nome de família, pela conta bancária.

    Como as políticas sociais têm se mostrado insuficientes para resolver as contradições entre a proposta de cidadania e a sua realização efetiva, resta às pessoas que são comprometidas com os valores humanos e com a organização da vida social e coletiva do homem e que têm uma aspiração de liberdade, igualdade, fraternidade e caridade, sonharem com um mundo completamente diferente do competitivo mundo do século 21.

    Abraços,
    Rosalí.

    Responder
    1. LuDiasBH

      Rose

      Penso que nunca houve uma época em que o pensamento humano tenha se voltado tanto para os bens materiais como nos dias de hoje.
      É claro que todo mundo quer levar uma vida com dignidade, como reza a nossa constituição.
      Mas o que choca são as diferenças existentes entre ricos e pobres, em todo o mundo.
      Os salários são chocantes, quando colocados de frente.

      A crença no poder da ciência vem tornando o homem cada vez mais materialista, como se sua vida fosse eterna.
      E é essa falta de limites que nos torna vazios, pois nada nos agrada, nada nos enche, nada nos torna feliz.
      Veja o texto que irei publicar amanhã sobre o Sufismo.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *