A NATUREZA E A SEIVA DERRAMADA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Augusto J.  Pereiraaugusto1

É dor e é sangue, a escoar sem cessar.
De onde vem essa profusão sanguínea,
capacidade imensa de produzir plasma?
Emana, diuturnamente, dos milhões de m³
de seiva derramada das árvores abatidas;
brota do sofrimento das espécies animais,
criaturas privadas de seu ambiente natural;
da degradação dos mananciais aquáticos e
da dor da mãe Terra, zelosa, chorando a
agressão insana aos filhos e a si própria.

O impacto da imagem das serras desnudas,
logo elas, que vestem o mais belo véu vegetal,
a abrigar o homem e lhe dar qualidade de vida.
A vegetação das serras é retirada, dia após dia,
em todos os quadrantes do planeta; desrespeito,
absurdo criminoso e indefensável contra a vida.
O homem é a espécie vírus a destruir o natural,
pra construir o artificial, sem se dar conta, o tolo,
de que é também Natureza, e que a natureza de
sua natureza é ser natural.

O homem é bicho truculento e ambicioso,
que quer “mudar” o planeta em que vive,
e o faz… dizimando-o, sem dó ou piedade.

E assim,
milhões de anos de nossa amada Terra
veem-se agora tristemente ameaçados
por poucos séculos de irresponsabilidades,
ganância e ignorância humanas.

Nota: imagem copiada de blog.chicomaia.com.br

2 comentários sobre “A NATUREZA E A SEIVA DERRAMADA

  1. Pedro Rui

    Realmente o homem é o mais perigoso vírus da mãe terra, destruição é o que faz; se continuar neste andamento, daqui a pouco nem respira mais pois é a mãe terra que nos traz o ar que respiramos. O homem perfura a natureza em busca de petróleo, ouro, diamantes, esquecendo de que está a fazer mal a si mesmo.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      O meu amigo que escreveu este poema, dedica a sua vida a cuidar da natureza.
      É fotógrafo e escritor.
      E você nos mostra também como ao final, o homem só faz mal a si mesmo, ao judiar com da mãe natureza.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *