A ORTOREXIA E SEUS PERIGOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

ortorex

O termo ortorexia é de origem grega – “orthós” significa correto e “orexsis”, fome – e foi criado pelo médico americano Steven Bratman, autor do livro “Health Food Junkies” (Viciados em Comida Saudável, em tradução livre). Segundo ele, quem apresenta o problema possui uma fixação por alimentação saudável e chega a gastar horas pensando no assunto. Apesar de a ortorexia ser reconhecida por um grupo de profissionais de saúde como um distúrbio do comportamento alimentar, o termo ainda não é usado como diagnóstico no DSM-IV. Não é um transtorno alimentar reconhecido oficialmente, mas é semelhante a outros distúrbios alimentares como a anorexia nervosa e a bulimia. Os anoréxicos e bulímicos mostram obsessão por peso e calorias e os ortoréxicos são obcecados pelos alimentos saudáveis.

Para conseguir manter uma dieta que considera correta, o ortoréxico inicia uma busca obsessiva por regras alimentares. Qualquer item considerado como “não saudável” (como aqueles que contêm corantes, conservantes, pesticidas, gorduras trans, excesso de sal ou açúcar e outros componentes) é excluído da alimentação. Na maioria das vezes, até a forma de preparo e os utensílios usados fazem parte das preocupações de quem tem ortorexia. A rigidez é a marca deste novo estilo de alimentação. Cada dia se torna uma oportunidade para “comer corretamente apenas alimentos considerados saudáveis”.

Há algumas pessoas que, quando não conseguem atingir os objetivos propostos, praticam autopunições que vão desde jejuns, restrição alimentar até excesso de exercícios físicos. A autoestima é baseada na pureza dos alimentos consumidos e essas pessoas se sentem superiores aos outros no que diz respeito à ingestão alimentar.

Exageros
Eventualmente, as escolhas alimentares se tornam tão restritas em variedade e calorias que podem comprometer a saúde do ortoréxico. A obsessão com a alimentação saudável atrapalha outras atividades e interesses, prejudica as relações afetivas e se torna física e psicologicamente perigosa. Os conceitos usados pelos ortoréxicos são, na maioria das vezes, baseados em informações verdadeiras. Não é errado, por exemplo, pensar que o uso exagerado de sal faz mal à saúde. O problema é que aplicam esses conhecimentos de forma exagerada, fazendo com que a dieta tome conta de sua vida.

Quando estão fora de casa, por exemplo, muitos indivíduos preferem ficar em jejum a ingerir algum alimento considerado impuro. O isolamento social é uma tônica na vida do ortoréxico.

Mesmo a ortorexia não sendo uma doença que um médico vai diagnosticar, por não estar reconhecida oficialmente, discutir essas questões com um psiquiatra, psicólogo e nutricionista pode ser de grande ajuda. O primeiro passo é admitir o problema, o que pode ser extremamente difícil de ser notado pela pessoa com esta condição, que normalmente é observado pelas pessoas mais próximas. Os especialistas concordam que a solução do problema passa por um acompanhamento psicológico e uma reeducação nutricional para:

  • equilibrar a alimentação,
  • desestimular práticas excessivas desses comportamentos alimentares
  • e prevenir as recaídas desta conduta.

O equilíbrio na alimentação é a chave para o sucesso de uma boa saúde.

Nota: Imagem copiada de www.infohoje.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *