A PAIXÃO É NONSENSE E DÉMODÉ

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH Somal1

A paixão é ardilosa, traiçoeira e cruel,
porque esconde os amores destemidos
sob o côncavo de irreais favos de mel.

A paixão é raposa astuta e desalmada,
cega os olhos e ludibria a razão, pois
não pede licença e nem diz “obrigada”.

A paixão é um perigoso e falso dardo.
Pra todo aquele que a carrega no peito
é presunção pura e amor enganado.

A paixão não tem vínculo com o amor,
cheio de defeitos e cevado pelo tempo,
onde o querer bem cresce coo fermento.

A paixão é ligeira como o nervoso vento,
ora balouçando aqui, ora agitando acolá,
sem nunca trazer um rasgo de alento.

A paixão não carrega dengo ou piedade,
mas leva a volúpia dos desejos incertos.
É fogo nas areias escaldantes do deserto.

A paixão é desejo de posse, egocêntrica,
instinto de poder sobre a vida de outrem,
deixando-a à deriva, sem prumo e porto.

A paixão não tem chamego ou zelo, mas
gula e voracidade pelo sujeito da ardência,
deixando a vítima só em seu tormento.

A paixão não traz alegria e nem bondade.
tampouco é a maldita prazer dividido, mas
deleite solitário e avaro da possessividade.

A paixão e o amor são como água e óleo,
sentimentos de linhagens divergentes, ou
distintos seres, sem comunhão ou sentido.

Nos loucos devaneios do poeta, a paixão
ganha ares de fidalga e não sei o quê, mas
fora disso é nonsense, antiquada e démodé.

Nota: ilustração copiada de www.mdig.com.br

2 comentários sobre “A PAIXÃO É NONSENSE E DÉMODÉ

  1. Alfredo Domingos

    Lu,
    “Lua, oh lua!
    Querem te passar pra trás…” (música “A lua é dos namorados”, autoria de Ângela Maria)
    Então, diante deste seu texto sobre a paixão, digo:
    Paixão, oh paixão!
    Querem te passar pra trás.
    Pelo amor de Deus, Lu!
    Não atiremos a milésima pedra na paixão. Por que ela sofre tanto? Não deveria, pois
    aquece e estimula nossos corações.
    Permite o gostoso tremor pelo corpo, o suor nas mãos e outras boas sensações em nós.
    Pensemos que a paixão abre as portas para o amor. É até subserviente!
    Imaginemos que ela está na sala de espera do consultório do amor. Basta entrar no compartimento principal. Enfim, envolver-se na festa e trazer para si a maravilha que é o amor.
    Lu, reconsidere…
    Abraço, Alfredo Domingos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      Você entrou na defesa da paixão… risos.
      Mas aqui eu falo da paixão avassaladora, que bota sela no indivíduo, fazendo dele um joguete, um trapo humano.
      A pessoa perde a razão e sofre pra danar.

      Quando ela só aquece o coração, ou seja, fica em banho-maria, é gostosa, mas quando machuca… não é fácil não.

      Não gosto de nada que me tire a razão.
      Portanto, para sua tristeza, ela continua no banco dos réus… risos.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *