A SERRA DO CURRAL EM AGONIA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

aaaa

Um vento gélido adentra pela janela de minha alma,
embora lá fora o céu quede-se azulzinho como safira.
Folhas secas esparramam-se pelo chão. Desencanto.
O sol douro segue justo no seu trajeto. Despropósito.
É inverno lá fora e invernia no meu coração em luto.

O flanco da sinuosa montanha foi engolido pelo surto.
Árvores e mais árvores tombam pra dar lugar ao luxo.
Os arranha-céus vão tomando forma e engolindo tudo.
As argentárias construtoras, ávidas, computam o lucro.
O meio ambiente tudo pranteia, impotente e mudo.

O bicho homem destrói a vida em todas as suas formas.
Vindima a amizade, mata ou debilita o companheirismo,
violenta sua espécie ou lhe ajeita, maldito, sua cova rasa,
dizima florestas, bichos, rios e ainda envenena as águas.
Destrói a esperança. É besta fera. Fera macabra.

E, assim, grandes nacos são tirados da Serra do Curral.
O cimento engole o flexível verde e cospe dureza bruta.
A Serra se contorce em dor e agonia, vertendo sangue,
mas a sensibilidade entorpecida esconde a torpeza da
alma humana, carcomida pela voracidade estúpida.

Pudera eu, na vida, ter podido nascer flor de vida curta,
ou inda mesmo folhagem de textura frágil e vida breve,
ou um galho que se languesce e lasca no seco inverno,
ou tosco tronco amargoso e áspero de cascas grossas,
para que minha alma, desta dor, esvair-se possa…

Quiçá pudesse eu ter nascido entidade de mata virgem,
versada nos segredos das estrelas e da argentada lua, e
tivesse por mestres o sol, o murmúrio das águas, o olor
das plantas, o canto das aves e a brancura das nuvens.
Mas nasci gente! Quão dolorosa é a minha dor.

2 comentários sobre “A SERRA DO CURRAL EM AGONIA

  1. Alfredo Domingos

    Lu
    Sua poesia tem tema pra lá de oportuno. Antes, porém, é muito bem feita. Além do todo, aproveitei o trecho “um galho que se languesce e lasca no seco inverno”. Lembrei-me, então, de um comentário radiofônico sobre a escassez da garoa paulistana. O analista culpava o aquecimento da cidade, principalmente devido às edificações, pela falta do chuvisco, tradicional em tempos atrás, que chegou a denominar São Paulo.
    Tudo isso tem a ver com a questão ambiental tão desprezada.
    Meus cumprimentos pelo relato em forma de poesia.
    Abraço,
    Alfredo Domingos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      Dá pena ver tanta beleza dizimada, para dar lugar a prédios de luxo, de alto padrão.
      É verdade, São Paulo deixou de ser a terra da garoa.
      E tudo está ligado ao lucro… em detrimento da natureza.
      Obrigada pelo elogio.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *