Vidas Secas – À SOMBRA DOS JUAZEIROS (3)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

cap baleia

Fabiano parecia o mártir da amargura.
Seus calcanhares trincados sangravam.
A embira das chinelas rasgava os dedos,
fazendo fundas e doídas rachaduras.

Acolá, viu o laivo dos juazeiros distantes,
porto de esperança pra ele e sua família.
Botou de lado a canseira e os ferimentos,
aligeirou o andar e esqueceu a fome.

Na dianteira da rota, viu um canto de cerca.
A família abandonou a margem do rio seco,
encarapitou na ladeira, beirando o cercado,
até chegar à sombra dos juazeiros.

Os guris arriaram-se como trouxas no chão;
Sinha Vitória encobriu-os com seus farrapos.
A cachorra Baleia enroscou-se com o maior,
e a sombra amainou a braba expiação.

Tudo ao redor estava morto pela estiagem.
Uma fazenda sem vida em total abandono:
casa, curral, pátio e o chiqueiro de cabras,
tudo arruinado, vazio e sem o dono.

O azulado do céu cegava  e endoidecia.
Sua tampa anilada baixava e escurecia,
só quebrada pelo vermelhão do poente,
e isso entrava noite e saía dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *