A TEMPESTADE NO MAR

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBHtempestade

A noite parece escura como breu.
A lenha crepita no fogão de barro,
soltando uma fumaça birrenta, que
faz o olho arder em desamparo.

Sentada num tronco podre de ipê,
a mulher espera seu homem voltar.
Ele partiu ainda cedo pra pescaria,
antes mesmo de no céu o sol raiar.

O coração lhe revela em alto brado,
que alguma coisa de ruim sucedera;
as correnteza da vida, em desvario,
as barreiras do tempo ora rompera.

No silêncio da noite, escuta as marés
batendo contra as escarpas distantes,
para protegê-las nas suas águas frias
contra o vento raivoso que range.

Longe, riscando o ar pesado da noite,
suspiros e lamentos doídos agitam-se.
Uma ave noturna pipia perto da casa,
trazendo o presságio do que viria.

A mulher matuta nas coisas da vida:
miséria, dor, velhice, doença e morte,
reverso perverso da lida vindo cedo,
no inevitável destino dos pobres.

O sofrimento desce brutal sobre ela,
lágrimas escorrendo pelo rosto triste;
boca ferindo-se na rudeza das mãos.
Foi tanta indigência penada em vão.

Águas revoltas apossam de sua vida.
No catre, o corpo estimado do marido,
exposto, com um olhar frio e bacento
de quem não vê na vida mais sentido.

A tempestade no mar revirou o barco,
desprovido de todo tipo de alumiação.
Zé Pedro caiu na rede, com os peixes,
que fugiam rápidos da louca agitação.

Agora eles estavam ali, como irmãos:
o homem estendidinho no velho catre,
coo olhar de peixe-morto, e os peixes
também mortos espalhados no chão.

Nota: Imagem retirada de http://mulhersabia.blogspot

2 comentários sobre “A TEMPESTADE NO MAR

  1. Mário Mendonça

    Lu Dias

    depois da tormenta, vem a calmaria,

    e com esta, o renascimento como se fênix fosse,

    olhai para o horizonte,

    pois, prospectam um limbo melhor…..

    abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      Depois de uma semana de gripe, nada como olhar para o horizonte.
      Chega de limbo e tosse.
      Vixe Maria!

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *