A TOQUE DE CAIXA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

tambor

O velho diabo, com o corpo enrugado pelo sol e com as mãos e pés calejados pelo trabalho árduo na lavoura, aproveitou o sábado para ir à cidade comprar querosene para a lamparina e outras coisinhas necessárias para não morrer à míngua, pois o salário pago pelo fazendeiro era metade do salário mínimo vigente no país. Mas quem há de fiscalizar a vida dos pobres coitados no interiorzão do país? Para se esquecer um pouco das mazelas que carregava consigo, o homem tomou umas biritas, certamente das mais ruinzinhas e baratas, uma vez que não podia dar a si nenhum outro prazer, tamanha era a vida miserável que levava. Com o sol a pino, não foi difícil a danada subir-lhe pela cachola.

Um fato paralelo acontecia na cidade: a visita do deputado estadual mais votado na região para inaugurar uma ponte de dois metros de comprimento. Que perda de tempo! Mas as eleições estavam próximas e era preciso se fazer presente, de modo a não ser esquecido nas urnas. A verborragia começou a encher o ar, saindo do palanque armado no início da ponte, enquanto aguardavam a chegada do político. Foi nesse exato momento que o pobre diabo fazia o caminho de volta para seu casebre. Ninguém sabe como, o fato é que o homem subiu no bendito palanque e desandou a falar, pondo para fora todo o desprezo com que fora tratado pelo poder público e pela vida. Embasbacados, pessoa alguma ousava tomar uma atitude. Quando o deputado chegou, o sujeito foi retirado a toque de caixa e a empurrões pelo delegado, pois a verdade não pode ser dita a quem deve escutá-la.

O leitor deve estar querendo saber como surgiu a expressão “a toque de caixa”. Bem, quem já assistiu a algum filme épico romano, lembra-se das trombetas enchendo os ares nas proclamações disso ou daquilo. Trombetas essas que foram depois substituídas pelos tambores dos muçulmanos na Europa. De modo que, em Portugal, durante as cerimônias públicas, os indivíduos indesejáveis eram expelidos do local ao som do tambor, ou seja, a toque de caixa. Existe também outra explicação que remete o uso dos tambores aos costumes militares, no comando das tropas, tendo a invenção chegado à Europa, através dos muçulmanos, que usavam o tambor em seus ritos religiosos e encontros militares.

A toque de caixa = rapidamente, a toda pressa…

Fontes de pesquisa:
Blog Brasil Escola
A casa da mãe Joana/  Reinaldo Pimenta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *