Almeida Júnior – O DESCANSO DA MODELO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Alfredo Domingos

vandré123

O pintor brasileiro José Ferraz de Almeida Júnior (1850-1899), da escola do realismo, brinda-nos com mais esta bela obra denominada O Descanso da Modelo que tem uma simbologia toda especial.

É muito comum pensarmos que a modelo para a confecção de um quadro somente esfalfa-se, sem momento de relaxamento, sem trégua. Engano nosso! Há momentos de pausa para o artista e para a modelo. Muitas vezes, a pintura pode arrastar-se, numa lida insana, o que impõe descanso.

Este quadro, antes de qualquer coisa, segue a linha cotidiana, dos pequenos detalhes, marca da maioria dos trabalhos de Almeida Júnior, embora tenha sido elaborado em Paris (1882), ainda em fase de estudo do autor. Há um rebuscamento, sem dúvida, que mais tarde será abandonado.

Podemos dizer que o grande achado é a circunstância de termos um quadro dentro de outro. Existe um ambiente de artes plásticas dentro de uma delas. A cena contém pessoas e objetos, que são absolutamente comuns, e a atmosfera é de descontração. Tudo praticamente inviável para se transformar em arte. Porém, o olhar detalhista do pintor fez uma obra complexa: incluiu a singeleza de uma conversa; um artista circunspecto e barbudo, deslocado para a esquerda, secundariamente; uma modelo que estaria fazendo um nu artístico, muito possivelmente; e um tecido amarelo, talvez uma capa, que, também, rouba a cena, junto com a modelo, até por estarem no centro da composição. É apropriado considerar que a luz principal do quadro está localizada nos dois elementos, havendo uma sobra para a pauta sobre o piano; observem, por favor.

Com coerência, podemos imaginar que, na tela do cavalete, o tal tecido vibrante esteja acompanhando a moça. Vamos saber se não foi esta a ideia de Almeida Júnior; ou seja, passar a nós a presença da personagem e do pano… Complementando, verificamos inúmeros vasos, pratos na parede, instrumentos e tecidos.

Ressalva deve ser dada ao piano, imponente, que ostenta dois candelabros e pautas musicais, sendo displicentemente dedilhado pela modelo, que nem o encara, dando prioridade ao diálogo com o artista.

Deve ser pensado, finalmente, que o farto cenário não obrigatoriamente está sendo inserido pelo pintor na tela. Não é sabido. Prefiramos, todavia, por sugestão, conceber que todos os acessórios preenchem somente a tela principal, a do nosso Almeida Júnior.

Independentemente das minúcias, ficou a obra, e ela, no todo, deve ser admirada.

Ficha técnica
Ano: 1822
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 98 x 131 cm
Localização: acervo do Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, Brasil.

Fonte de pesquisa:
www.brasilartesenciclopedias.com.br

6 comentários sobre “Almeida Júnior – O DESCANSO DA MODELO

  1. Clarissa

    Parabéns, pai! Lindo texto e muito bem escrito! Depois da leitura, o quadro revelou-se de outra forma para mim! Beijos com toda a minha admiração!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Clarissa

      Seu pai é um excelente escritor. Escreve com uma sensibilidade tocante, levando o leitor a vivenciar aquilo que repassa. Ele é fantástico! Inclusive há no blog um poema que fez para você.

      Não se esqueça de comentar com ele, dizendo-lhe que deixou aqui um comentário.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Alfredo Domingos

        Lu,
        Agradeço a sua gentileza de sempre. A filha passou o recado. Estou aqui vibrando pelo contato dela e pela sua participação. Agradeço, então, às duas, claro!
        Meu abração,

        Alfredo Domingos

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Alf

          Somente agora pude responder a seu comentário. Estava viajando e não levei o notebook.
          Fiquei muito feliz com a presença de sua filhota no blog. Foi emocionante sentir o carinho dela pelo paizão.
          Estou com saudades suas!

          Abraços,

          Lu

  2. LuDiasBH Autor do post

    Alf

    Parabéns por mais este texto brilhante sobre uma das composições de Almeida Júnior.
    Você escreve como se estivéssemos fazendo um dedo de prosa com o pintor.
    Magnífico!

    Abraços,

    Lu

    Responder
    1. Alfredo Domingos

      Obrigado, Lu. O seu incentivo é importante.
      Esta obra de A.Júnior motivou-me pelo tema.
      Ou seja, um quadro dentro do outro.
      Arte pura, bem no feitio do blog!
      Vamos à frente! Meu abraço.
      Alfredo Domingos.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *