AONDE VAI A CORDA VAI A CAÇAMBA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Alfredo Domingos

uni1Saudade de você, Juju!

É, sinto saudade do seu jeito doidão, mas você é gente boa que só. Extrovertida. Solidária. Arteira. E tantos outros adjetivos.

Autora de frases “tortas” memoráveis: melhor do baile é estar nele, e não esperar por ele; coma um quilo de sal com Fulano e verá com quem está lidando; e aonde vai a corda vai a caçamba, o que nem sempre dá certo.

Esta última suscita a minha reflexão. A expressão original firma a ideia da união. Surgiu na concepção remota em que o balde era içado pela corda, na busca da água do poço artesiano. Um sempre atado ao outro.

Porém, cara Juju, sabiamente, você fazia ressalva. Dizia, usando esperta inocência, que não há certeza de dar boa obra o apegamento desmedido entre pessoas. O grude de cá para lá e vice-versa não garante sucesso à empreitada. É necessário respeitar a individualidade e as diferenças. Indo além, ilustrava a proposta contando que os seus pais viviam como unha e carne, contudo, o velho ousava pulinhos no quintal alheio.

Acrescentava, colocando as mãos nas cadeiras:

– Desconfie, meu filho, se tudo estiver muito certinho e agarradinho. Com o tempo, notará que por debaixo do angu há caroço.

E arrematava:

– Esse negócio de andar de carreirinha, não sei, não…

Nota: imagem copiada de www.encontrasantacruz.com.br

4 comentários sobre “AONDE VAI A CORDA VAI A CAÇAMBA

  1. Edward Chaddad

    ALFREDO

    Não conheço a Juju, mas é uma sábia.
    Gostei muito de sua maneira engraçada e espirituosa de expor os ditados da Juju.
    Excelente texto.

    Responder
    1. Alfredo Domingos

      Edward
      Agradeço o comentário. As opiniões fortalecem a nossa escrita.
      Você acertou quanto a Juju. Ela é sábia de verdade. Adora entortar as frases conhecidas.
      Transforma o comum em original, deixando graça e ensinamento.
      Abração,
      Alfredo Domingos.

      Responder
  2. LuDiasBH Autor do post

    Alf

    A Juju está coberta de razão, quando afirma que:

    “O grude de cá para lá e vice-versa não garante sucesso à empreitada. É necessário respeitar a individualidade e as diferenças.”

    Grude sem respeito às diferenças é conversa mole para boi dormir, pois é o amor, presente no respeito e na admiração que é o cimento mais eficaz num relacionamento.
    Caso contrário a caçamba volta seca da cisterna.

    Abraços,

    Lu

    Responder
    1. Alfredo Domingos

      Lu,
      Tudo tem a sua medida. Até o agarramento em excesso pode trazer encrenca. Um pouco de independência permite a criatividade, o inesperado e também o erro, pra acertar depois. Juju pensa assim…
      Abração,
      Alfredo Domingos.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *