BOLHINHAS DE SABÃO E PALAVRAS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBHautis2

Eu simplesmente escrevo,
soltando as palavras ao léu,
como o garotinho na praça
solta as bolhinhas pro céu.

Ajuntam-se umas às outras,
conforme o vento ou emoção,
e, somente depois de unidas,
dou nome à minha criação.

Umas são bem campesinas,
buscam o cheiro acre da terra,
trepam nas árvores mais altas,
ou vão em busca das serras.

Outras, extremamente urbanas,
voam em direção aos outdoors,
caem nas costas dos passantes,
ou visitam edifícios ao redor.

As poéticas sempre me enleiam.
Saem em busca dos enamorados,
caem em meio a beijos ardentes,
ou entre abraços apertados.

As plebeias não fazem distinção.
Têm a beleza simples do corcel.
Caem no teto de um palácio ou
no boné do catador de papel.

Há as mal-humoradas e ácidas.
Eu as acolho como os filhos são.
Alçam voo e explodem de pirraça,
díspares como os dedos das mãos.

Algumas são lépidas e serelepes,
recheadas de sensualidade e calor,
já saem do canudinho acasaladas,
numa gostosa efusão de amor.

As eruditas são sempre um horror.
Julgam-se as boas damas da praça.
Coisa alguma tem pra elas valor, a
não ser o forte ego que as enlaça.

As iconoclastas esvoaçam em bando
na mais polvorosa e louca  anarquia.
Deduzem que nada na vida tem dono.
Abaixo os ícones de cada dia!

Junto às palavras minha vida é igual
à do persistente garotinho da praça,
que sopra, assopra e torna a soprar,
querendo ver suas bolhinhas voar.

Nota:  Imagem retirada de http://www.fotoshot.com.br

12 comentários sobre “BOLHINHAS DE SABÃO E PALAVRAS

  1. Pedro Rui

    Lu, as tuas bolinhas trazem paz, harmonia e liberdade. Parabéns pelos teus poemas; tu brincas com as palavras. Adorei este poema, onde falas como uma menina que sopra num tubinho para que as bolinhas voem em liberdade.
    Um grande abraço
    Rui Sofia

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pedro

      Ainda adoro soltar bolhinhas de sabão.
      Moro perto de uma praça, e sempre que vou lá, solto as minhas bolinhas coloridas.
      Fico feliz que tenha gostado.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Alfredo Domingos

    Lu,
    Sua poesia trouxe calma, conforme as pessoas já falaram, mas com ludicidade. Gostei da forma boa de dar paradeiro às bolinhas e contextualizar. Lembrei-me, então de uma música antiga, de 1963, de Orlan Divo, chamada BOLINHA DE SABÃO, cantada pelo Trio Ternura, cujos alguns versos são: “Sentado na calçada
    De canudo e canequinha
    Dumplec duplim
    Eu vi um garotinho
    Dumplec duplim
    Fazendo uma bolinha
    Dumplec duplim
    Bolinha de sabão…”.
    Pois é, parabéns a você pela bela concepção.
    Abraço,
    Alfredo Domingos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      Sou como você, gosto de brincar com as palavras.
      Essa música é lindinha, mesmo.
      Ainda brinco com bolinhas de sabão… risos.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Patricia

    Lu,

    suas palavras são bolinhas de sabão que fazem seus leitores flutuarem no decorrer da leitura.
    Às vezes belas, inesperadas, escorregadias, safadas e perfeitas.
    Linda poesia.

    Bjos

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Já imaginou se a gente pudesse contabilizar todas as palavras que soltamos pela vida?
      Dariam para encher o mundo de bolhinhas de sabão.

      Obrigada pelas palavras generosas.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  4. Ana Beatriz

    Que delicada essa poesia Lu, tive uma sensação de paz indescritível.
    Um belo domingo pra ti!!
    Ana Beatriz

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ana Beatriz

      Que bom saber que você gostou, pois no Brasil são poucas as pessoas ligadas à poesia.
      Volte sempre!

      Um domingo delicioso para você também.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *