CAIR NO CONTO DO VIGÁRIO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

PV 123

O conto do vigário aparece como um retrato invertido da vida e da cultura de uma comunidade em um período de sua história. (José Augusto Dias Júnior)

É um laço armado com habilidade e boa fé do próximo ambicioso. É o caso em que os espertos fazem tolos e o tolo quer ser esperto. (Vicente Reis)

Segundo o Aurélio, “Conto do Vigário” significa: 1.Embuste para apanhar dinheiro, em que o embusteiro, o vigarista, procura aproveitar-se da boa-fé da vítima, contando uma história meio complicada, mas com certa verossimilhança/ 2. P. ext. Qualquer embuste para tirar dinheiro ou bem material alheio. No vocabulário jurídico o termo usado para o conto do vigário é “estelionato”,

Quanto mais crescem os recursos de comunicação mais a trapaça encontra um campo fértil. Ainda que vivamos em pleno século XXI, os embusteiros encontram uma rica clientela, pois, segundo afirmou P. T. Barnum, ilusionista e dirigente de um circo de variedades, “nasce um trouxa a cada minuto”. Engana-se quem pensa que são apenas as pessoas simplórias a cair em tais engodos. Em certos embustes, enganador e enganado tornam-se cúmplices, ainda que indiretamente, pois ambos estão em busca de vantagens fáceis.

Os trapaceiros encontram-se encarapitados até nos púlpitos das igrejas, vendendo a salvação eterna. Para o fiel crédulo é muito mais fácil comprar a sua salvação do que levar uma vida regrada no mundo dos vivos, ou seja, tanto é vivaz um quanto o outro. E assim, vão proliferando as mentiras como se fossem verdades. Se não houvesse a predisposição para levar proveito por parte da vítima, os vigaristas não lograriam êxito em suas empreitadas. O embusteiro ainda conta com um ponto a seu favor: o silêncio do lesado, envergonhado por ter caído num golpe. Enquanto o primeiro desaparece do cenário, o iludido é projetado, servindo-se de motivo de chacota. Mas em sã consciência, muitos poucos de nós poderiam se orgulhar de nunca ter caído num conto do vigário.

Ao que se sabe, apenas na língua portuguesa este tipo de trapaça é associada ao “vigário”, tendo aparecido tal locução primeiramente em Portugal e no Brasil. O que se presume é que no passado, certos trapaceiros passavam-se por figuras eclesiásticas (merecedoras de grande confiabilidade, à época) para urdirem suas trapaças. E sendo os dois países citados muito católicos, o fato de tratar-se de um “vigário” dava mais credibilidade à trama.

Segundo Vicente Reis, autor de Os Ladrões do Rio, havia uma quadrilha internacional, principalmente na Espanha, preparada para aplicar golpes nos países escolhidos. Enquanto uns meliantes ficavam no país de origem, outros partiam para terras estrangeiras (Portugal, França, Brasil, Itália, Argentina, etc.) em busca das possíveis vítimas, normalmente pessoas ricas e respeitáveis e cheias de boa-fé, é claro. Quando o escolhido para ser ludibriado menos esperava, chegava-lhe uma carta do exterior, de indiscutível autenticidade (selos, carimbos, chancelas….) de um religioso, com a história de uma órfã, grande herança e coisa e tal.

Segundo alguns, o conto do vigário é tão antigo, que já se encontra no Antigo Testamento, Gênesis, cap. 30, versículos: 31 a 45 , quando Jacó enganou Labão. E não é que é verdade!

O escritor português Fernando Pessoa, contudo, tem outra explicação para a origem da expressão “conto do vigário”, que segundo ele foi nascida em Portugal. Atesta que certo proprietário rural e negociante de gado, de nome Manuel Peres Vigário foi o responsável pela origem da expressão. Para conhecer a história, leiam o artigo Fernando Pessoa – O CONTO DO VIGÁRIO

Fonte de pesquisa:
Os Contos e Os Vigaristas/José Augusto Dias Junior

Nota: imagem copiada de dedemontalvao.blogspot.com

2 comentários sobre “CAIR NO CONTO DO VIGÁRIO

  1. Edward Chaddad

    LuDias
    Entre muitas assertivas, o que mais me impressionou, no seu brilhante texto, quando diz:

    “Quanto mais crescem os recursos de comunicação mais a trapaça encontra um campo fértil. Ainda que vivamos em pleno século XXI, os embusteiros encontram uma rica clientela, pois, segundo afirmou P. T. Barnum, ilusionista e dirigente de um circo de variedades, “nasce um trouxa a cada minuto”.

    Infelizmente, não temos mais condições de acreditar naquilo que até é dito inclusive em manchetes, nos jornais, revistas e nas TVs, inclusive em alguns sites, que repetem e repercutem até a exaustão a “verdade”, criada pelo embuste. Por cautela, percebemos, após a leitura que nos causa revolta contra este ou aquela autoridade ou pessoa, que tiraram uma frase de um contexto, onde a expressão tinha outro significado, ou exploraram uma pequena falha, para deste fato mostrar a verdade que elegeram ou querem que seja expressa. E essa verdade exibida, infelizmente, chega a ser tão uníssona, os fatos guardam tanta uniformidade e as opiniões são tão convergentes e sem contraditório, que parecem fazer parte de uma orquestra, que não desafina, executando uma sinfonia universal. Bem, aí desconfio que, parodiando Shakespeare, há algo de pobre no reino…

    O hoje é desanimador para quem sonhou no tempo das trevas, da censura, com uma imprensa livre e de múltiplas opiniões, que cultiva o debate, a verdadeira liberdade de expressão, onde todos tem acesso a explicações, aumentando o acesso à informação, a troca de ideais, buscando uma sociedade mais esclarecida, reduzindo e até prevenindo embates, contendas desnecessárias, diminuindo ansiedade, apreensão, tensões próprias que se submetem o leitor, ao final, o povo.

    Aí, infelizmente, o “conto do vigário” é repetido, contado e festejado por aqueles que, através da manipulação, cometem estelionatos que comprometem a verdade e nos trazem graves prejuízos.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Hoje não podemos acreditar nem naquilo que os nossos olhos veem, nem no que os nossos ouvidos ouvem. A mentira, a trapaça, as más intenções estão feito bruxas más, à espreita, buscando tirar proveito próprio.

      Ainda que certas pessoas saibam que existem penalidades para os comportamentos relativos à exploração da boa fé de outrem, mesmo assim elas ignoram isso. Sabe por que, amigo? Porque elas sabem que a recompensa é muito maior. Ou seja, o rigor do castigo é infinitamente inferior às benesses recebidas. Portanto, falta às leis o rigor necessário na correção.

      Que criança se importaria em comer uma caixa cheia de bombons, se contasse apenas com uma chinelada como castigo? Mas se lhe viesse uma boa dor de barriga, ela jamais voltaria a cometer tal disparate.

      O castigo precisa ser superior às benesses obtidas com as más ações, caso contrário, não passa de uma leve chinelada.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *