CHAPEUZINHO VERMELHO E O LOBO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

chapver

Embora digam que a mentira possui pernas curtas, tenho a certeza de que as pernas de algumas delas são mais longas do que podemos imaginar. Mas, apesar de tantos anos de silêncio, vou contar a verdadeira história de Chapeuzinho Vermelho. Prestem atenção no que agora vou lhe contar, meu caro leitor.

Dentre as preferidas garotas de madame Chanela, sem dúvida alguma estava a bela Tip Tip com sua pele de cetim e seus cabelos de ébano. Vivia na ponte aérea das principais capitais do mundo representando a Chanel Fashion & Accessories & Fragrance & Beauty.

Mirando-se no seu idolatrado espelho de cristal, após uma noite regada a champanhe e caviar, Tip cismou que estava com alguns quilinhos a mais. Ninguém conseguia ver um grama fora do lugar, tampouco a balança notificava tal desagrado. Mesmo assim, a top-model optou por fechar a boca. E a fechou de tal forma que acabou tão anoréxica a ponto de perder as suas amadas madeixas que caíam por toda parte. E, para livrar a moça de tamanha desventura, seu agente tratou de criar uma situação que a salvasse do vexame. Foi dito para a mídia nacional e internacional que a mãe da garota estava acometida de uma grave doença, tendo ela que voltar para casa por algum tempo.

Tip Tip retornou à sua família, que morava numa velha fazenda europeia, apesar da tristeza que sentia por deixar o mundo fashion. Depois de um mês, já bem mais forte em razão das sopas aceboladas de sua mãe, não mais aguentou virar e revirar suas revistas de beleza, uma vez que não era chegada à leitura de livros. De modo que resolveu visitar sua avó, já bem velhinha, que morava a cinco quilômetros de sua casa. Sabedora de que tudo possui olhos e ouvidos, a musa das passarelas achou por bem usar um disfarce. Revolvendo um velho baú, encontrou uma capa vermelha e um chapéu da mesma cor. Ali, estava o embuço perfeito para o fim almejado: não ser reconhecida.

Tip, no seu rubro disfarce, pôs-se a andar alegremente pela estradinha, que conduzia à casa de sua avó. E assim o fez durante toda a semana para sair da rotina caseira, até ressentir que estava sendo fotografada, vendo ali a presença de um paparazzo. Sua identidade corria o risco de ficar a descoberto. Mas um fato curioso foi a presença de certo Luftal Lobo encontrado morto no quarto da senil avó da moça que, ora rindo, ora chorando gritava:

– Ele queria me comer! Ele queria me papar!

O que não era verdade! Luftal Lobo apenas fotografou a alegre camponesa, com seu capuchinho vermelho para o jornal do vilarejo, a fim de ilustrar um artigo, onde dizia que as pessoas também são felizes levando uma vida simples, inclusive fazendo caminhadas. Essa mesma foto correu mundo, criando o mito da boa menina Chapeuzinho Vermelho, que levava doces para sua vovozinha.

Na época, meu pai, ainda vivo, fez-me prometer guardar sigilo. Mas um segredo de tamanho porte é um fardo pesado demais para ser carregado. Só uma coisa eu não consigo entender e, para tanto, peço ajuda: Quem matou o jornalista Luftal Lobo e como ele foi parar no quarto da avó de Tip Tip?

(*) Imagem copiada de http://gracitacordel.blogspot.com.br/2011/11/chapeuzinho-vermelho-cordel.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *