CONFISSÕES DO ENCANTADO

Autoria de Pierre Santos
PP

Sou antes. Sou um dia. Existo pelos trópicos.
Meu coração se espalha como pedra. Entanto, estou deserto,
penhasco milenar, aquém oblongo opala e já fui índigo.
Estou sempre. Estou perto.

Por três noites dormi num sóbrio monastério
a noroeste da polar estrela
e fui miniaturado por um monge azul,
que me deixou sem barba e sem estela.

Tive a mão lida por uma cigana em plena Costa Brava
e após fluí encosta abaixo em amplo vôo exausto,
como quem quer saber o dia em que nasceu
e a data do holocausto.

Na praia de Kyrenia conheci o amor e seus unguentos
com que uma deusa ungiu-me, acariciou-me
e comigo rolou Mediterrâneo a dentro,
dando-me de presente o sol, seus heliotrópicos.

Por um instante me esqueci dos trópicos…
mas os meus pés alados enfrentaram solertes o hemisfério,
enquanto sereias de fogo me embalavam
e fadas de outra esfera iluminavam rumos e mistérios.

Hoje sou leme. Agora, sem espanto, canto o meu encanto
e ora estou sempre. Sempre!

 Nota: ilustração de Guido Boletti

19 comentários sobre “CONFISSÕES DO ENCANTADO

  1. Rui

    Amigo Pierre

    O seu poema não só é belo como é também música para meus ouvidos. As suas palavras são verdadeiras. Por vezes o mundo é vazio, mas com poemas como o seu ele fica cheio de beleza.

    Abraços

    Responder
  2. José S.S. Lobato

    Também gostei imensamente, tanto de seu extasiante poema, como da ilustração de nosso admirado Guido. Um grande abraço. P.S.: Hoje é segunda, 14 de março; na próxima quinta, dia 17, já serão dois meses. Por favor, não se esqueça, pois estou aguardando e necessitando. As obras aqui estão no momento mais crucial.

    Abraços

    Responder
  3. Igor

    Uahu Pai, que versos!
    Saudade desse lirismo intenso em cores, onde a poesia torna-se o próprio amor! Qual tributo mais digno do homem que é pago aos céus, senão os versos de almas justas e honradas! Virgilio, Petrarca, Homero e outros heróis cantaram seus versos feitos à inspiração deste amor lirico, amor que só habita na alma do poeta. E somente tal poderia deveras conceber tais inspirações, iluminadas aqui pela luz de teus versos. Eterno estro em sua jornada ao infinito em busca pelas eternidades! Estandarte sublime, que conduz a ascensão da Arte através dos céus, chegando a um novo paraíso, destinado somente aos poetas.

    Responder
    1. Carlos Soulie do Amaral

      Eh! Meu filho, como sempre “enchendo a bola” do papai. Obrigado pelas palavras carinhosas e que Deus o abençoe sempre.

      Responder
  4. Carlos Soulie do Amaral

    Caro Pierre

    Fiquei contente e agradecido com o poema que você me mandou. E também gratificado por encontrar o pulso da Poesia ainda batendo em versos onde há invenção e desenvoltura no toque do sensível:

    “Tive a mão lida por uma cigana…
    e após fluí encosta abaixo em amplo voo exausto”.

    São sutilezas que me encantam: você não rolou encosta abaixo, você fluiu.
    E quero pinçar outro instante: “Conheci o amor e seus unguentos
    com que uma deusa ungiu-me , acariciou-me
    e rolou comigo Mediterrâneo a dentro”.
    Aqui sim, você rolou. E fez bem. Porque afinal você está tocado pelo sol e pela magia da poesia.
    E pressenti-lo encantado e encantatório me traz, com o perdão pela rima, uma grande alegria.

    Abraço cordial,

    Carlos Soulié do Amaral

    Responder
    1. Carlos Soulie do Amaral

      Gostei desse “encantada”. Só você mesma para fazer este trocadilho. Meu anjo, muito obrigado por suas palavras carinhosas. Agradeço taqmbém em nome do Guido. Beijos.

      Responder
  5. Eduardo de Paula

    Agradeço por ambos os abraços e suas palavras incentivadoras. Prometo arranjar obras do Boletti para publicar em nosso blog. Aguarde.

    Responder
  6. Eduardo de Paula

    Pierre
    Você sabe sonhar. Seu poema está bem além desse mundo assustador onde, por hora, estamos vagando. Bom é viver no sonho. Vá em frente!
    Gostei. Apareça.
    Um abraço do

    Eduardo de Paula

    Responder
  7. Pierre Santos

    Só você mesma, Lu, para levantar assim a nossa moral. Suas palavras são dadivosas e calam fundo no coração. Agradeço-lhe em meu nome e em nome do Boletti, que é um gande artista.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      PP

      Como são humildes os grandes mestres! Vocês são artistas talentosos e incomparáveis.
      Gostaria de publicar trabalhos do Boletti.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Eduardo de Paula

        Ei, Oscar! Este comentário seu, verdadeira poesia, me desmontou. Obrigado por suas palavras, cara! Qualquer dia desses aí estarei em Tiradentes, para nos revermos. Aguarde-me.

        Responder
  8. LuDiasBH Autor do post

    PP

    Simplesmente maravilhoso e indescritível.
    A união do maravilhoso (seu poema) com o sublime (ilustração de Guido Boletti).
    Duas obras-primas que se entrelaçam e encantam.

    Abraços aos dois,

    Lu

    Responder
      1. Carlos Soulie do Amaral

        Obrigado, Janaina, pela intervenção. Aliás, já tive oportunidade de agradecer-lhe pessoalmente e faço-o agora por escrito. Você, além de linda, é um amor.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *