Fábula – A PANELA DE BARRO E A DE FERRO

Recontada por LuDiasBH

  padefe  padefe1

A panela de barro e a de ferro ocupavam a mesma prateleira, porém, a cozinheira tinha sempre o cuidado de colocá-las distantes uma da outra. Certo dia, a panela de ferro resolveu buscar ares novos, pois estava enfastiada com aquela cozinha. Convidou a outra para acompanhá-la no passeio.

 A panela de barro falou à de ferro sobre seus receios. Sabia que a outra era forte e destemida e, além disso, tinha pele reforçada, não se abatendo com qualquer choque. Mas ela, coitada, conhecia os seus limites. A panela de ferro, porém, com suas costumeiras palavras, tirou da outra o receio. Até lhe disse que a protegeria, sendo dela o esteio. E assim, desprovida de qualquer medo, foi a panela de barro pro passeio, lado a lado com a de ferro.

Tagarelavam as duas panelas sobre os alimentos que cozinhavam, quando um buraco no caminho ocasionou um acidente, jogando as duas no chão. A de ferro levantou-se, sacudiu a poeira, e foi dar a mão à dileta companheira. Mas, que tristeza, no chão jazia a coitada em pedaços.

Reflexão
A sabedoria popular está sempre a alertar as pessoas para que vivam de acordo com suas possibilidades, não dando um passo maior do que as pernas, para que não as quebre, metendo-se onde não devem. A prudência é a aliada dos comedidos, responsável por evitar aborrecimentos e propiciar uma vida com tranquilidade.

O contato entre os iguais é, sem sombra de dúvida, benfazejo. Nada pior do que se meter em lugares onde não se sente à vontade, ficando como um peixe fora d’água. A vontade que se tem é fugir do local o mais depressa possível. Contudo, algumas pessoas sentem-se inebriadas com a vida daqueles que ocupam altos cargos. Tudo fazem para, ao menos, lamber-lhes os finos sapatos, ainda que sejam subestimadas em tal companhia.

A fábula da panela de barro, que saiu a passear com a de ferro, ainda que isso representasse um grande perigo para ela, atenta para o fato de que cada qual deve buscar o seu igual, sem se deixar tragar pela companhia ilusória de quem, socialmente, posta-se acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *