Fábula – O RATO DA CIDADE E O RATO DO CAMPO

Recontada por LuDiasBH

rato

O rato da cidade e o rato do campo encontraram-se, certo dia, durante uma viagem que faziam na carroceria de um velho caminhão. Conversa vai, conversa vem, o rato urbano, um tipo bem tagarela, convidou seu novo amigo para um passeio a sua casa na cidade, prometendo-lhe uma rica e farta mesa. No dia marcado, o rato caipira bateu na porta de seu amigo citadino, sendo prontamente atendido. Conforme prometera, sobre o tapete de uma sala suntuosa estendia-se uma rica refeição, composta por inúmeras iguarias. Puseram-se os dois a regalar-se com a lauta refeição. Mas eis que, repentinamente, o hospedeiro põe-se a correr, e o hóspede atrás, pois pressentira que um grande perigo pairava no ar.

Acalmados os ânimos, suspirou aliviado o rato da cidade, enquanto se explicava:

– Amigo, foi apenas um rebate falso. Tudo agora transcorre na mais perfeita normalidade. Passemos à sobremesa, que está um manjar dos deuses.

Mas o rato da roça, já não tendo mais apetite depois de tamanho susto, desculpa-se dizendo que está satisfeito e agradece a deferência que lhe foi feita pelo amigo da cidade. Ao despedir-se, deixa o seu convite:

– Companheiro, gostaria de gozar de sua companhia na minha humilde casa. A comida é simples, mas em compensação pode-se comer sossegado e sem correria.

 Reflexão
A paz de espírito é sem dúvida uma das maiores dádivas da existência humana. É preferível uma vida simples, onde é possível apreciar as pequenas coisas, do que a opulência atormentada. Existem pessoas que correm tanto em busca de riqueza, que mal possuem tempo para apreciar o belo à sua frente, exposto nas pequenas coisas. Outras, endinheiradas, não conseguem pegar no sono, a não ser às custas de remédios, com medo de que os negócios possam desandar no dia seguinte. Isso que é vida desgraçada!

O sossego é uma condição importante para a saúde humana, contrapondo-se à agitação, que vem causando inúmeras doenças, numa época em que o “ter” vem desbancando o “ser”. Tudo está se tornando cada vez mais rápido e, consequentemente, mais agitado, numa competição tacanha entre as pessoas. Prazeres simples, mas importantes para a saúde mental, estão sendo colocados de lado, em prol da desmedida ambição.

O ratinho da roça deixou bem claro que não adianta uma refeição suntuosa, se não há tempo e nem prazer para saboreá-la. Sendo bem melhor a comidinha simples e caseira, mas abundante em tranquilidade, podendo ser saboreada com tranquilidade. Podemos aplicar esta sábia lição a vários aspectos de nossa existência, se quisermos ser felizes nesta nossa curta passagem por este planeta chamado Terra. Todo o resto é a mais tola ilusão.

Nota: imagem copiada de cadernodepoesiaseafins.blogspot.com

12 comentários sobre “Fábula – O RATO DA CIDADE E O RATO DO CAMPO

    1. LuDiasBH Autor do post

      Breno

      Imagino que seja uma crítica direcionada ao citadino, em relação ao camponês. O segundo, em todos os tempos, sempre foi visto como mais ingênuo, fácil de ser passado para trás.

      Esopo (que para alguns não existiu) também poderia estar destacando a paz de espírito, quando se tem uma vida simples, em contraponto à vida de suntuosidade.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder
      1. Breno Agostinho

        Obrigado mesmo! Estava curioso demais!
        Queria saber, pois o criador desta fábula (Esopo) morava na Grécia, e as fábulas dele geralmente faziam uma crítica à Grécia.
        Obrigado! Abraços!

        Breno

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Breno

          Sou eu quem agradece a sua presença no blog.
          Volte sempre.

          Abraços,

          Lu

    1. LuDiasBH Autor do post

      Pedro Rui

      Eu também sou assim.
      Não gosto de muito tumulto.
      Gosto do meu cantinho e de apreciar a natureza.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  1. Pedro Rui

    A paz de espírito realmente não se pode comprar e devemos sempre procurar; encontro-a na Bíblia e aconselho-a, pois faz bem ao corpo e a alma, e assim vemos a vida doutra forma. A Bíblia, devemos ler e entender em espírito senão entendemos nada do que está lá escrito.
    Abraços

    Rui Sofia

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pedro

      Você é uma pessoa muito espiritualizada.
      E por isso terá sempre paz de espírito em sua vida.
      Será sempre muito abençoado.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Pedro Rui

    A paz de espírito e tranquilidade é saúde para o nosso corpo, para a nossa mente.
    É verdade quando a perdemos sentimos sua falta, temos que nos cuidar.
    Comprimentos Lu.
    Rui Sofia

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pedro

      O maior tesouro da vida é a paz de espírito.
      Não há dinheiro que a compre.
      Temos que cuidar para que ela nunca nos falte.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      A tranquilidade é de suma importância para todos nós.
      Quando a perdemos é que vemos o quanto é importante.
      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *