Fábulas – CURTAS E RASTEIRAS (V)

Recontadas por LuDiasBH

saprinO Campeão Esportivo e seu Concorrente

O sábio, após o término dos jogos Olímpicos, aproximou-se de um campeão, que se mostrava visivelmente presunçoso, e perguntou-lhe se era mais forte do que o rival. O jovem prontamente respondeu que era muito mais forte, tanto é que ganhara a competição. O sábio então questionou: “Que mérito há em vencer alguém muito mais fraco? Trar-lhe-ia mais admiração, se você dissesse que venceu alguém mais forte. “.

Moral da história:
A vaidade excessiva do vencedor, ao desacreditar seu adversário, tira o mérito de sua vitória.

  1. A Mulher, o Corpo do Marido e o Soldado

Certa mulher, ao perder seu amado marido, exigiu que seu corpo fosse embalsamado e colocado num sarcófago em seu quarto. Ali permanecia dia e noite, banhada por abundantes lágrimas. Próximo à casa, quatro ladrões foram crucificados por terem profanado o templo de Júpiter. Um soldado fazia a sentinela no local. De uma feita, foi pedir água na casa da mulher, sendo atendido pela serviçal. Mas ainda assim, a viúva viu seu vulto deslumbrante e por ele se apaixonou. De tanto ir pedir água, os dois acabaram se tornando amantes. Mas um dia, ao voltar para seu posto, o sentinela viu que faltava um corpo. Sabia que seria crucificado por isso. Contou à mulher o ocorrido, assim como o castigo que receberia. E ela prontamente cedeu-lhe o corpo do marido antes pranteado.

Moral da história:
A paixão desmantela qualquer virtude, toldando a razão dos apaixonados.

  1. A Javalina e o Lobo

Encontrava-se a javalina com as dores do parto, rolando na terra de um lado para o outro, quando passou pelo local um lobo, que prontamente ofereceu-lhe ajuda, dizendo-se o melhor parteiro da região. E mais, não lhe cobraria absolutamente nada, após trazer suas crias ao mundo. A javalina, que já conhecia a fera, pediu-lhe que dali se afastasse, antes que chegasse o pai de seus filhos.

Moral da história:
Mesmo nos momentos de extrema dificuldade é preciso saber em quem confiar, para que, passadas as atribulações, outras maiores não estejam a caminho.

  1. O Gênio da Fome

Eram tempos difíceis na floresta, pois imperava uma prolongada estiagem. O urso, já não mais sabendo o que fazer para subsistir, teve um “insight”. Correu para o rio, pegou uma pedra e mergulhou calmamente sua pata peluda na água, segurando-a. E ali ficou imóvel, por alguns minutos, depois dos quais retirou a pata d’água, cheia de camarões agarrados a seu pelo.

Moral da história:
A bruteza da fome aguça os sentidos e, em razão dela, muitos crimes são cometidos sem o real querer do sujeito a seu comando.

  1. O Viajante e o Corvo

Andava um homem apressado pelo campo, em razão de uma tempestade que se avizinhava, quando ouviu uma voz dizendo: “Ave!”. Ele parou e aguardou que alguém se manifestasse. Mas nada! Resolveu prosseguir no seu caminho. E de novo repetiu-se a mesma voz. E novamente ele parou, retirou seu facão e ficou à espera, pois poderia ser um malfeitor. Mas um corvo sobrevoou-o exclamando: “Ave!”. Ao homem, visivelmente indignado, só restou correr em busca de abrigo, pois o tempo perdido permitiu que desabasse a tempestade sobre ele.

Moral da história:
Muitas vezes as palavras não passam da mais pura enganação, para atrapalhar a vida dos crédulos, por isso, é preciso muita reflexão para não ser ludibriado.

2 comentários sobre “Fábulas – CURTAS E RASTEIRAS (V)

    1. LuDiasBH Autor do post

      Leila

      Como diz um velho ditado, “macaco velho não mete a mão em cumbuca”. Nada como a prudência para tornar nossa vida melhor.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *