Fábulas – CURTAS E RASTEIRAS (VI)

Recontadas por LuDiasBH

macarinO Pastor e a Jovem Cabra

Certo pastor, chateado por não estar recebendo o pagamento devido pelo patrão, resolveu descontar sua raiva numa inocente cabra. Como a coitadinha tivesse, por engano, desviado-se do rebanho, ele bateu forte nos seus tenros chifres com o cajado, arrebentando um deles. Amedrontado com o que fizera, pôs-se a implorar à cabra para que nada contasse ao dono. Ao que ela respondeu-lhe: “Fui injustamente agredida, mas nem por isso eu o denunciaria. Contudo, ao ver-me com um dos chifres quebrados e com a cabeça inchada, o patrão haverá de descobrir o acontecido.”.

Moral da história:
As más ações acabam sempre por denunciar o malfeitor, pois, mais cedo ou mais tarde, nada há que fique impune nesta vida.

  1. A Gralha e a Ovelha

Estava uma ovelha a pastar tranquilamente, quanto uma gralha desceu sobre seu dorso e picou-a com indisfarçável maldade. A ovelha indefesa, disse à ave prepotente: “Se fizesses isso ao cão, que tem dentes afiados e volta o corpo com facilidade, pagarias um alto preço.”. Ao que arrematou a tirânica: “Nutro desprezo pelos fracos, mas admiro os fortes. Sei a quem provoco e com quem me desmancho em adulação.”.

Moral da história:
Os que são abusados com os fracos, desmancham-se em agrados com os mais fortes, pois só agem por interesse próprio.

  1. Os Testículos do Castor

Um castor viu-se acossado por meia dúzia de cães, instigados por um cruel caçador. O animalzinho já não mais aguentava correr, vendo a morte aproximar-se cada vez mais.  Um laivo de lucidez, quiçá ajuda dos deuses, levou-o a cortar e jogar fora os testículos, pois pensava ser essa a causa de tamanha perseguição. O caçador, ao encontrar o que buscava como remédio, chamou os cães de volta para casa, salvando-se o castor, ainda que a duras penas.

Moral da história:
Se o homem tivesse coragem para renunciar aos prazeres da vida, certamente viveria com maior tranquilidade, pois ninguém inveha os que nada possuem.

  1. A Cotovia e a Raposa

A cotovia já estava se preparando para pousar num arbusto, quando se depara com uma raposa ali bem próximo. Imediatamente voa mais alto, enquanto aquela lhe diz fingidamente: “Amiga, não fuja! Quero levá-la ao campo, onde existe muitos grilos e gafanhotos. Irá se fartar!” Ao que lhe respondeu a esperta cotovia: “ Fala bonito, amiga, porém, nos campos não somos iguais. Suba aqui nas alturas e poderemos conversar.”.

Moral da história:
A esperteza quando é grande demais acaba por denunciar as más intenções de seu dono.

  1. Os Galos e o Gavião

Dois galos andavam em permanente contenda. O mais esperto arranjou um gavião como juiz, quando, na verdade, esperava que esse devorasse seu oponente. Teriam que declinar diante do justiceiro as causas da arenga. Mas, enquanto o esperto falava, o gavião botou nele suas possantes garras. Em vão ele gritava: “Você se enganou, tem que pegar aquele que se encontra em fuga.”. Ao que lhe respondeu o falso juiz: “Aquilo que preparaste para o outro é mais do que justo que também proves.”.

Moral da história:
Aquele que premedita a desgraça alheia, jamais imagina que também pode cair na teia urdida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *