Fábulas – CURTAS E RASTEIRAS (X)

Recontadas por LuDiasBH

gatrinO Bem e o Mal

O Mal estava sempre a perseguir o Bem. Cansado de tanto ser judiado, o segundo resolveu pedir ajuda aos deuses. E foi por isso alçado aos céus, enquanto seu opositor continuou aprontando entre os homens. Portanto, como o Mal permaneceu em meio à humanidade, sua presença é constante, enquanto o Bem, lá no céu, escolhe ocasião propícia para descer e habitar o coração dos homens generosos.

Moral da história
É preciso um grande esforço para alcançar o Bem, enquanto o Mal está por toda parte, oferecendo seus préstimos.

  1. O Vendedor de Escultura

Um artista estava no mercado vendendo uma escultura do deus Júpiter, que terminara de esculpir, mas ninguém parecia lhe dar atenção. Então começou a apregoar, em voz alta, que, quem  tivesse tal divindade em sua casa, seria dono de grande riqueza e poder. Um dos camponeses, que se juntaram ao seu redor, perguntou-lhe: “Senhor, se este deus é tão poderoso como diz, não seria melhor que o mantivesse consigo?”.

Moral da história
Quem precisa de benefícios não abre mão do santo, a menos que nele não deposite confiança.

  1. A águia Traidora e a Raposa

A raposa e águia celaram um trato de amizade, em que uma zelaria pelas crias da outra. Mas encontrando-se com fome, a águia devorou os filhotes da amiga. Indignada, mas impotente para brigar com a dona dos ares, a raposa entregou o caso para os deuses. Não demorou muito para que a águia roubasse as vísceras em fogo de um animal oferecido a Zeus, em sacrifício. O vento soprou o fogo que se espalhou por uma árvore, onde se encontravam os filhotes da ave sem palavra, matando-os queimados.

Moral da história
O traidor, ainda que escape da vingança do injustiçado, não fica imune à severa justiça dos céus.

  1. A Águia e Suas Penas

Certa águia observou o caçador pegar suas penas, caídas no chão, para fazer suas flechas. Era preciso manter distância dele. Mas de uma feita, estava ela de olho numa lebre, quando foi ferida de surpresa. Antes de morrer, conseguiu reconhecer suas penas, e disse ao exalar o último suspiro: “O que mais me deixa pesarosa é saber que minhas próprias penas contribuíram para a minha morte.”.

Moral da história
Não há dor maior do que ser traído pelos que nos são caros.

  1. A Andorinha e o Corrupião

Uma andorinha vivia muito feliz entre os homens, alimentando-se das migalhas que eles dixavam cair. Ao encontrar-se com um corrupião, convidou-o para juntar-se a ela na cidade, onde a vida era bem mais fácil. Mas ele agradeceu o convite e respondeu-lhe: “Não quero mais ser depenado, por isso escolhi viver longe da humanidade.”.

Moral da história
O mal sofrido deve sempre servir de ensinamento, para que não venha a repetir-se numa dosagem ainda mais cruel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *