Fábulas – CURTAS E RASTEIRAS (XV)

Recontadas por LuDiasBH

gatrind

  1. O Homem e os Deuses

Um homem pobre encontrava-se muito doente. Sem dinheiro para tratar-se, só lhe restava pedir ajuda aos deuses do Olimpo. E foi por isso que lhes prometeu uma oferta de cem bois, se recuperada fosse a sua saúde. A mulher, ao ouvi-lo falar sobre tal oblação, questionou-o sobre como a pagaria, se nada tinham. Ele lhe respondeu que os deuses haveriam de esquecer tal promessa, em meio a tantas outras feitas a eles.

 Moral da História
Não são poucos os que fazem promessas, mesmo sabendo que jamais as cumprirão.

  1. O Homem e as Formigas

 Certo sujeito presenciou, de cima dos rochedos, o naufrágio de um navio. E logo se pôs a condenar os deuses que, por causa de um só descrente, matara muitos inocentes. Enquanto expunha sua revolta, foi picado por uma formiga. Enraivecido, pisou em todas as que ali se encontravam. O deus Hermes então apareceu e censurou-lhe o proceder, pois agira com as formigas, exatamente como os deuses, embora os criticasse.

 Moral da História
Antes de criticar as ações de outrem se faz necessário analisar o próprio comportamento.

  1. O Homem e suas Invocações

 Como houvesse uma procela, todos os passageiros aguardavam o pior, correndo de um lado para o outro, cuidando das velas e tirando água do navio. Mas um homem, ajoelhado a um canto da embarcação, bradava à deusa Atena para que o salvasse. Um dos companheiros de viagem, invocado com tanta passividade, alertou-o para que invocasse a deusa, mas que também movesse as pernas, ajudando-os a enfrentar a tormenta.

 Moral da História
Não adianta cruzar os braços, esperando que a graça cai do céu, pois é necessário fazer por merecê-la.

  1. A Mulher e as Dracmas

Certa mulher pediu aos deuses a graça de ser mãe. Se isso lhe acontecesse, daria a eles cem bois. Após receber a dádiva, ela mandou modelar em barro uma centena de bois, e depositou-os no altar dos deuses. Para vigarem da embusteira, esses lhe disseram, em sonho, que numa determinada praia ela encontraria 100 dracmas. Mal amanheceu, ela foi atrás do dinheiro. Lá chegando, foi aprisionada por piratas e vendida por tal valor.

Moral da História
A ganância, quando é muito grande, acaba por comer o próprio dono.

  1. O Gato, o Homem e a Deusa Diana

 Havia um homem que se alegrava com o ato de maltratar os animais. A eles impunha os mais horrendos sofrimentos, enquanto ria e ria. De uma feita, pegou um pobre gato e amarrou à sua cauda uma estopa embebida em querosene e nela pôs fogo. A deusa Diana, que já vinha de olho no sujeito, direcionou o bichinho desesperado para as lavouras do tal, já prontas para a apanha. Assim que o primeiro pé de milho foi incendiado, ela guiou o animal para um riacho, salvando-o, enquanto toda a colheita virava cinza.

 Moral da História
Nada se faz sem que as consequências, sejam elas boas ou más, voltem para o praticante da ação, pois assim é a lei do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *