Marcos Vidinha – E AGORA O QUE EU FAÇO…

Autoria de LuDiasBH

eoquefago

O pintor brasileiro Marcos Vidinha apresenta-nos mais uma de suas criações, denominada “E agora o que eu faço com este Planeta Azul?”. Segundo o artista, a inspiração para esta pintura nasceu de sua preocupação com os momentos ruins vividos no nosso planeta Terra, em meio a tantos desastres ecológicos, guerras, miséria, migrações desesperadas, crimes diversos contra a humanidade, entre outros, muito embora reconheça que também existem coisas boas acontecendo, mas que não são divulgadas pela mídia, ou quando são, o são com pouca ênfase e/ou frequência.

Marcos se perguntou: “Como será que o Administrador do Planeta Azul, designado pelo todo poderoso Criador do Universo para zelar pela sua segurança e também pela boa estadia dos seus habitantes, estaria se sentindo diante de tanto acontecimento ruim?” O nosso artista diz que, por uma questão de empatia, colocou-se no lugar do Administrador e perguntou-se sobre o que faria na situação dele? Embora ele, racionalmente, tenha total convicção de que o melhor caminho seja o meio-termo, diz que, emocionalmente, é do tipo “8 ou 80”, e, em assim sendo, questionou-se: “Tenho que salvar o Planeta Azul ou destruí-lo?”. Mas, criativo e irônico como sempre, nosso artista ponderou que seria muita responsabilidade para ele tomar tal decisão para si. Por total despreparo e covardia, segundo ele, abandonou a ideia de empatia e deixou por conta do Administrador tal incumbência, cabendo a si apenas a representação pictórica do evento que ora apresentamos aqui.

Vidinha explica-nos como planejou a sua composição de formas e massas:

  •  a primeira decisão: o Administrador estará indeciso, tenso e muito pensativo sobre o destino do Planeta Azul;
  • a segunda: numa analogia com a famosa estátua de Augusto Rodin – “O Pensador”, o Administrador do Planeta Azul sentará sobre uma nebulosa, numa posição semelhante à da estátua;
  • a terceira: o Satélite do Planeta Azul, que tem a nobre missão de embelezar o céu nas noites do Planeta Azul para inspirar os corações apaixonados,  será escondido “discretamente” numa nebulosa, pois a “sensação do Satélite” é que a decisão do Administrador não deverá ser lá muito boa e até para ele poderia ter consequências não muito agradáveis”.

A ideia dessa composição, segundo Marcos Vidinha, é fazer com que o observador sinta-se “empatizado” com o Administrador e possa refletir se tomaria alguma decisão quanto a situação do Planeta Azul, ou, se como o artista, se acovardaria diante do tamanho e responsabilidade do problema.

Cabe finalmente ressalvar que a responsabilidade pelas ocorrências no Planeta Azul é exclusiva de seus habitantes, e, portanto, cabe a eles encontrar a solução, para que não haja a necessidade da intervenção do Administrador.

  Ficha Técnica:
1 – Título: E agora o que eu faço com esse planeta azul?! (And now, what do I do with this blue planet?!)
2 – Ano: 2016
3 – Dimensões: 40 cm x 60 cm
4 – Registro Artístico da Pintura: 36
5 – Classificação: paisagem (espacial, imaginaria)
6 – Estilo compositivo: livre de regras
7 – Estilo pictórico: policromático, com uso de tinta acrílica e pincel
8 – Localização: coleção particular do artista

Contato:
e-mail: mavidinha@uol.com.br
site: www.pintura.ucoz.com.br

4 comentários sobre “Marcos Vidinha – E AGORA O QUE EU FAÇO…

  1. Hales

    Bela consideração quanto ao Planeta e, como diz a Sabesp, “Água é o Ouro Azul do Novo Milênio”, mas estamos contaminando a grande massa que compõe o Planeta Terra e que ainda lhe dá o tom azul…

    Responder
    1. Marcos Antonio Moreira Vidinha

      Prezado amigo Hales
      Muito obrigado pelo seu comentário!
      Realmente! Parece que há pessoas insatisfeitas com a belíssima cor azul do céu terráqueo. Mas segundo os cientistas há opções de outras cores nos céus de outros planetas: Vênus (amarelo alaranjado); Marte (cor de rosa); Urano (verde). Provavelmente esses insatisfeitos talvez desejem o céu de Júpiter (preto). Nada contra, adoro a cor preta, e a uso, com muita frequência nas minhas pinturas, mas… o azul é insubstituível.
      Abraços

      Marcos Vidinha

      Responder
  2. LuDiasBH Autor do post

    Marcos

    Sua pintura é fantasticamente linda! Parabéns, magnífico pintor! Haja criatividade!

    Estou aqui pensando… Como deve estar difícil a vida desse Administrador do Planeta Azul… No seu lugar, eu destruíria o seu terrível ornamento (a humanidade), para fazer brotar um novo tipo, pois esse que está por aqui precisa urgentemente de ser varrido para o espaço sideral. Já está com o prazo de validade vencido. Não há mais jeito. Confesso que minha esperança é cada vez mais escassa.

    Abraços,

    Lu

    Responder
    1. Marcos Vidinha

      Lu
      Mais uma vez gostaria de agradecer a sua imensa generosidade para comigo, ao publicar mais uma pintura minha neste Blog fantástico, dedicado à arte, em todas as suas vertentes. Eu me sinto honrado com sua amizade e generosidade. Fico-te grato nesta vida (física, atual) e eternamente grato em todas as outras que minha alma possa vir a viver.

      A humanidade está caminhando num caminho muito complicado, mas o ser humano não é ruim, pelo menos não nasce ruim, mas diversas ações, de vários tipos, promovem a alteração daquilo que é bom em ruim. O que é ruim não é a humanidade como um todo, mas sim uma mísera parcela dela, com alto poder de contaminação do restante. Mas quem sou eu para concertar o mundo?! O Planeta Azul tem um Administrador e eu acredito na sua competência, seja qual for a decisão que ele tome.

      Parabéns pelo Blog, está cada dia melhor! Afinal tem uma Administradora competente e talentosa!

      Abraços! Beijo enorme no seu coração!

      Marcos Vidinha

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *