MARRAIO, FERIDÔ SOU REI!

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

 Autoria do Prof. Rodolpho Caniato

A minha aprendizagem das contas também se deu de maneira espontânea antes de qualquer intenção didática. A rua Rodolpho Dantas que passa ao lado do “Copa” também ainda não era asfaltada. Lembro-me de quando chegou o primeiro rolo compressor, movido a vapor, com caldeira e fornalha a lenha, para o início das obras de asfaltamento. Essa maquina aí ficava abandonada, depois do dia de trabalho. Estive em cima dela para ver seus detalhes. Até aí, essa rua, na segunda quadra  a  partir  da  praia,  era  nosso  campo  de bolinhas de gude, “búlica” ou “biroca”.

O jogo era constituído de quatro buraquinhos equidistantes, sendo três alinhados  e  um desviado em ângulo reto. A unidade de distância era um pouco variável, pois era o palmo de cada um. O jogo podia ser “à brinca” ou “à vera”. Quando era “à vera” quem perdia tinha que “pagar”. O pagamento era feito em bolinhas de gude. Essas tinham valores diferentes pela sua “beleza” ou pelo seu tamanho. Havia ainda as “bilhas” que eram as bolinhas de aço, e, que quebravam as de vidro quando o “teco”  era  mais  forte  e  frontal.  Isso provocava um pequeno “comércio” com diferentes proporções na troca.

Além de contar o “capital” com que se entrava no jogo, as trocas eram feitas em diferentes proporções, como dois para um ou três para um, dependendo do “valor” das diferentes bolinhas. Além da contagem aprendia-se a ideia de   proporção.   As disputas  de “gude” começavam com quem propunha o jogo e usava o privilégio de ser o desafiador e primeiro a jogar. Para isso bastava usar a expressão “marraio, feridô, sou rei!” ou simplesmente “marraiofiridôsorrei!”.

Esse  tipo  de  aprendizagem  se  praticava,  fazendo  “negócios” também com as coleções de tampinhas das bebidas. Nesse caso, as trocas em diferentes proporções tinham a ver com o “enriquecimento” de cada coleção. Meus  passeios  pelas  calçadas  da  quadra  se  ampliaram  quando ganhei um velocípede todo de ferro e com o qual ia até o outro lado da quadra (hoje calçadão), onde muitas vezes visitava um amigo. Entrando pela porta de serviço do prédio “Itaoca”, deixava meu velocípede atrás da porta, enquanto visitava o amigo. Numa das visitas, ao voltar para apanhar minha “condução”, ela havia sido “marraio, feridô, sou rei” ou simplesmente “marraiofiridôsorrei!”.

Um comentário sobre “MARRAIO, FERIDÔ SOU REI!

  1. LuDiasBH Autor do post

    Prof. Caniato

    Que forma maravilhosa de aprender contas. Como os garotos daquela época eram felizes nos seus joguinhos ao ar livre, ao contrário dos dias de hoje. E que forma deliciosa de contar passagens de sua infância! No interiorzão do país ainda persistem tais jogos, para alegria das crianças.

    Muitos leitores haverão de compartilhar, em suas lembranças, das brincadeiras aqui comentadas. Simplesmente adorável o seu texto.

    Abraços,

    Lu

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *