MENINA, NÃO!

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

 bebe

Dez filhas magníficas valem menos do que um filho aleijado. (Provérbio chinês)

Muitos filhos, muitas bênçãos de Deus, muitas filhas, muitas desgraças. (Provérbio alemão)

Praticamente em quase todas as culturas as meninas sempre estiveram numa posição inferior à dos meninos. Enquanto os últimos são recebidos com júbilo, as primeiras são aceitas com pesar. Tais culturas ignoram ou não valorizam o fato de que a mulher é imprescindível na perpetuação da espécie e na organização de uma sociedade. E esta diferenciação, que perdura ao longo dos séculos, é responsável pelo modo como homem e mulher encaixam-se dentro da sociedade. Quanto mais severas forem as diferenças, mais díspares serão os papéis de ambos e maiores serão as desavenças.

Os provérbios são praticamente unânimes em reforçar a diferença entre as filhas e os filhos, apontando a inferioridade da mulher em relação ao homem. Vejamos alguns:

  • A casa paterna é território dos rapazes e restaurante das moças. (Chinês)
  • A jovem que se casa perde o parentesco. (Coreano)
  • Cada filha é uma mão cheia de problemas. (Árabe)
  • Quem tem um filho não morre completamente. (Dinamarquês)
  • A mulher não é parente de ninguém. (Mongo)
  • Um filho tolo é melhor do que uma filha habilidosa. (Chinês)
  • Ter um filho é uma bênção, ter uma filha é uma desgraça. (Chinês)

Em muitas culturas, quando o homem se casa, a esposa é obrigada a acompanhá-lo, cortando todo o vínculo com a sua família de sangue. Ela e seus descendentes são agora propriedade do marido, fazendo parte de seu clã, mas é tratada como se fosse apenas agregada a ele, ou seja, mais uma escrava. O nascimento de uma menina, em certas sociedades, é visto como um castigo. Mas o que leva a tamanha diferenciação entre homem e mulher, desigualdade esta que vem perpetuando ao longo dos séculos?

Por mais simples que seja uma cultura, a subsistência é a sua preocupação primordial. As famílias pesam a importância dos filhos e das filhas dentro delas. Como já sabemos, em muitas sociedades, quando a filha se casa, ela deixa a sua família de origem e passa a fazer parte da família do marido, sendo mais um membro na força do trabalho doméstico, uma vez que é proibida de trabalhar fora de casa. Sob este ponto de vista, as filhas trazem prejuízos para seus pais e irmãos, ao criá-las e depois repassá-las para outra família. Elas não são, portanto, um bom negócio. Um provérbio chinês diz que “O destino da filha é desaparecer e o do filho é permanecer.”, ou seja, ela deixa sua família, enquanto o filho continua nela, ajudando os pais e irmãos, perpetuando o nome da família.

Só para se ter uma ideia do desencanto de um pai, quando nasce uma menina, em Ruanda existe um provérbio que vem em socorro dele: “Não se deve insultar quem tiver uma filha, se puder continuar tentando” (tentando ter filhos), ou “Uma família sem uma única filha é como um fogo apagado”, como diz um provérbio coreano. Ainda: “A filha mais velha é a ama dos irmãos.” Mesmo quando se tenta valorizar a menina, pensa-se nos serviços domésticos que ela irá prestar à sua família, quer sejam na criação dos irmãos ou no cuidado para com os pais ou em ambos os casos. E uma filha só seria o suficiente. Quanto aos filhos, que venham aos montões.

Fontes de pesquisa:
Nunca se case com uma mulher de pés grandes/ Mineke Schipper
Livro dos provérbios, ditados, ditos populares e anexins/ Ciça Alves Pinto
Provérbios e ditos populares/ Pe. Paschoal Rangel

Nota: Imagem copiada de aranas.com.br

2 comentários sobre “MENINA, NÃO!

  1. Beto

    Lu,

    “Por trás de um homem triste há sempre uma mulher feliz
    E atrás dessa mulher mil homens, sempre tão gentis
    Por isso para o seu bem
    Ou tire ela da cabeça ou mereça a moça que você tem”

    Deixe a Menina. Música de Chico Buarque

    Infelizmente, nas minhas viagens tenho observado, em algumas regiões do Brasil, ainda o uso de expressões que tentam colocar a mulher em situação de inferioridade – inclusive com citação de ditados de muito mau gosto. Mesmo aqui em São Paulo, já ouvi numa roda de amigos, um pai de classe média alta, se gabando da sua situação de “fornecedor” e, portanto, livre dos problemas de uma filha!! Espero que a discriminação da mulher ainda existente entre nós, mesmo quanto manifestada em tom de brincadeira, seja só uma questão de tempo para acabar.

    Cresci numa família de mulheres fortes. Em todos os sentidos. E só posso compreender os ditados populares citados no seu artigo num outro contexto, cultura e época.

    Eu diria também que por trás de um homem de sucesso há sempre a presença e a força de uma mulher.
    Na verdade, todos os homens nascem frágeis e por muito tempo dependem da força de uma mulher.

    Abraços,

    Beto

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Beto

      A cultura machista nos países mais desenvolvidos continua descendo ladeira.
      Até porque os homens necessitam que a mulher trabalhe fora de casa para ajudar no sustento da família.
      E fica difícil menosprezar quem também traz dinheiro para casa.
      Mas não é fácil tirar a marca de milhões de anos de um vício.

      Infelizmente, em certos países, com o apoio da religião, a diferença entre o homem e a mulher coloca-os nos tempos primevos da humanidade.

      Penso que o estudo é a maneira mais fácil de igualar os gêneros no que diz ao respeito.

      Você deixa uma frase em seu comentário que deveria fazer parte de todos os livros didáticos:

      “Na verdade, todos os homens nascem frágeis e por muito tempo dependem da força de uma mulher.”.

      Grande verdade!

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *