Mit. – VERTUNO LUTA PELO AMOR DE POMONA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Recontado por LuDiasBH

verlupeapo

Pomona era uma das ninfas dos bosques. Nenhuma outra devotava maior amor às plantas do que ela. Adorava colher os frutos maduros das árvores, ou ver os animais a saboreá-los.Usava sempre um podão para cuidar da flora, ora cortando os ramos que passavam de seus limites, ora enxertando-os com uma nova vida. Preocupava-se, sobretudo, com o fato de que as plantas tivessem sempre água. Jamais desejou outro amor ou outra forma de vida que não fosse essa. Fugia dos homens e dos sátiros que a perseguiam.

Vertuno, deus dos jardins e pomares, apaixonou-se desesperadamente por Pomona, embora ela o ignorasse, como fazia com os demais. Para se aproximar da ninfa, ele usava os mais diferentes disfarces. Ora apresentava-se como um vinhateiro, ora como um colhedor de maçãs, ou, como um pescador, etc. De uma feita, tomou a forma de uma velha mulher, com seus cabelos brancos, cobertos por um lenço, usando um bastão que a ajudava caminhar. Adentrou no pomar de Pomona, admirando a beleza de suas árvores e frutos.

A suposta senhora idosa sentou-se ao lado de Pomona, e pôs-se a conversar com ela. Falou-lhe da importância da vinha que cingia o tronco da árvore, e da importância do tronco que dava suporte à vinha, para que nele se enroscasse. Através do exemplo da natureza, ela, Pomona, deveria perceber que também precisava se unir a alguém. Sabia ela que tinha muitos pretendentes, mas nenhum deles a amava tanto como Vertuno. E o seu conselho era o de que deveria tomá-lo como esposo. Ele era uma divindade séria, pertencente às montanhas, que amava as mesmas coisas que ela. E suplicou-lhe para que o imaginasse falando através de sua boca, ali, naquela hora. E contou-lhe a história do amor de Ífis e Anaxárete, tendo ele morrido por ela, que, por sua dureza de coração, transformou-se em pedra.

Depois de tais palavras, Vertuno tirou o seu disfarce diante dos olhos de Pomona, mostrando o belo jovem que era. Imediatamente ela também caiu de amores por ele, selando ali a união dos dois.

Nota: Vertuno e Pomona, obra de Anton van Dyck

Fontes de pesquisa
Mitologia/ Thomas Bulfinch
Mitologia/ LM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *