MULHER À TOA, NÃO!

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

banho12

Certa vez, meu tio encafifou-se
com uma voluptuosa mulher à toa.
E na casa de meu irreverente avô,
esse era o tema decorrente.

Nos meus cinco anos e seus deslizes,
cheia daquela pureza peculiar à época,
em meio ao jantar, sapequei, inocente:
– Meu vô, o que é mulher à toa?

E sério ele me respondeu de soslaio:
– É mulher desatrelada, livre, sem dono,
que pode fazer o que bem quer coa vida
e, que vive pulando de galho em galho.

Depois de recebida tal explicação, e
tendo entendido da lição a metade,
eu logo escolhi  a minha futura lida:
ser mulher à toa por profissão.

Seria liberta como uma andorinha,
e só iria aonde me desse vontade,
sem patrão para mandar em mim,
seria mulher à toa por opção.

Quando íamos brincar de casinha,
cada criança escolhia a personagem:
artista, médica, dentista, professora,
mulher à toa era sempre a minha.

Eis que certo dia entrou no grupo
uma prima, velhota de oito anos.
Sabichona, já frequentava a escola,
conhecia do mundo os desenganos.

Mal começada a brincadeira, a prima
escolheu ser da turma a professora,
perguntando a cada aluno o que seria.
E eu, sem pestanejar: – Mulher à toa!

Arregala os olhos a velha mestra
e me pergunta em tom de briga:
– Aluna, será que você não sabe,
que mulher à toa é rapariga?

Minha pobre profissão morreu ali,
decapitada, sofrida, em frangalho.
Nada mais queria ser, se não podia
sair por aí a pular de galho em galho.

Obs.: Em certas regiões do Brasil, a palavra “rapariga” tem o mesmo significado de “meretriz”.

Nota: Menina com Flores – Renoir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *