MULHERES SEM SOL

Autoria de LuDiasBH

museso

Eu vi muitas mulheres prisioneiras,
perquirindo a vida através de janelas,
buracos de algodão grosso e rugoso,
ferindo seus olhos na rudeza da cela.

Cativeiros tecidos de panos ásperos,
grotescas figuras perdidas nas trevas,
espectros de uma existência sinistra,
cadeias de dóceis e tristonhas servas.

Jamais viram as trilhas do caminho,
presas ao calor abafante das burcas,
cavoucos temíveis da cor da crueza,
cárceres móveis de demência bruta.

Os seus corpos são cavernas isoladas,
o lugar mais desditoso deste planeta,
vegetação desprovida de fotossíntese,
onde o sol nunca nasce ou se deita.

Nota: Imagem retirada de http://www.ci-cpri.com/?p=994

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *