O ARRANCA-RABO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

mendigo123

Por ocasião das últimas eleições para prefeito, tive a oportunidade de assistir a um comício na cidade de Morgado. Tirando as promessas mirabolantes e a verborragia vindas do palanque, tudo teria transcorrido na mais absoluta e costumeira pasmaria, se certa madame da oposição não tivesse passado pelo local e dado um puxão no rabo de cavalo de outra, motivo suficiente para que o pau comesse.

As duas “finas” damas, depois de se esbofetearem mutuamente, passaram a rolar no chão, disputando para ver quem ficava por cima. O comício foi interrompido, uma vez que os presentes, achando que a rixa tinha mais emoção, voltaram as costas para o palanque com seus não muito distintos oradores. Toda a atenção pública estava concentrada nas gladiadoras. Enquanto isso, os partidários da agressora inicial foram chegando. O público dobrava-se a cada minuto, instigando a desavença.

O tumulto dividiu-se em duas torcidas. Ninguém acudia. Todos queriam ver o circo pegar fogo. De repente, uma guinchada de sangue atingiu o rosto de alguém da plateia. Aí veio o “Parem com isso!”. A agredida havia tirado parte da orelha da opositora. Ao final do arranca-rabo, as duas foram parar na delegacia junto com a turma do “disse me disse”. A seguir, as duas foram encaminhadas ao posto de saúde, para tomarem vacina contra raiva e coisa e tal. De modo que só Deus sabe o que aconteceu daí para a frente.

O termo arranca-rabo foi trazido pelos colonizadores portugueses, que por sua vez herdaram da tradição egípcia. Está ligado às batalhas de antigamente, quando arrancar o rabo do cavalo do inimigo era um grande trunfo. Quanto mais rabos de cavalo apresentasse, mais prestigiado era o guerreiro. No Brasil, tal costume também foi comum entre os cangaceiros nordestinos, como forma de humilhar os donos das propriedades invadidas.

Que absurdo! As bestas humanas digladiavam e eram os pobres animais as maiores vítimas. Até onde pode ir a bestialidade humana?

Fontes de Pesquisa:
A Casa da Mãe Joana / Reinaldo Pimenta
http://www.brasilescola.com/curiosidades/arranca-rabo.htm

Nota: Imagem copiada de www.brasilescola.com 

2 comentários sobre “O ARRANCA-RABO

  1. Alfredo Domingos

    Lu,
    Estamos lendo mais um ótimo texto. Parabéns!
    Consultando o “Aurélio”, tive como resposta para o verbete “arranca-rabo” a palavra “rolo”.
    Sempre me detenho em conhecer as demais palavras para o mesmo significado
    Gostei, porque quando se entra num “arranca-cabo” faz-se um “rolo” de fato.
    Abraço, Alfredo Domingos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      Em todo arranca-rabo está presente um grande rolo… risos.
      É incrível a riqueza de nossa língua.
      Eu sou fascinada por essas expressões.
      É muito interessante saber como surgiram.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *