O HOMEM, O SOFRIMENTO E A ARTE
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Alvimar Cury Júnior

cury1

Todo homem está sujeito ao sofrimento,
parte inerente da vida no planeta Terra.
Existem pessoas no mundo sofrendo
coa fome, miséria, injustiças e guerras.
Entretanto, viver é uma grande aventura,
ainda assim a vida é generosa e bela,
e bela irá continuar, se o homem deixar.
É preciso tirar lições, aprender, ser útil, e
buscar na nossa caminhada algum proveito,
pra vencer nossas guerras pessoais, de modo
a deixar algo que possa servir para alguém,
ainda que sejamos por demais complexos.

Viver é uma arte! É um aprazimento!
Mas a função principal da arte é ser sincera,
e gerar frutos para quem a faz e quem a vê.
Não apenas agradar os olhos do observador,
mas antes de tudo levá-lo ao questionamento.
A beleza vista, às vezes não tem algo a dizer.
Todo artista será sempre um aprendiz da arte,
com suas tantas representações e manifestações,
pois ela é um ato contínuo de amor a gerar vida.
Todo homem é capaz de produzir sua arte, mas
desde que tenha no coração algo a dizer, pois o
importante é a verdade do que se quer produzir.

Muitos homens jazem enclausurados dentro de si.
São de pouco falar, poucas amizades e muito sentir.
Mas carregam o peito cheio de medos: medo de um
mundo que leva o egoísmo como porta-estandarte,
medo da destruição da natureza e deste belo planeta,
e muito mais medo dos seres que não amam a vida.
Ainda assim é preciso acender a chama da esperança, e
provar que o mundo ainda não está totalmente degradado.
É preciso buscar a beleza na singeleza da alma,
Pois ainda é possível encontrar o amor puro e inocente,
que se encontra bem além das aparências, e, para isto,
basta ater-se à beleza impregnada no espírito da gente.

10 comentários sobre “O HOMEM, O SOFRIMENTO E A ARTE

  1. LuDiasBH Autor do post

    Meu querido amigo Alvimar

    Seu poema retrata tudo aquilo que vai dentro desse coração generoso, que um dia, com por encantamento, tive o prazer de receber um de seus trabalhos aqui no blog: A MENINA CHUPANDO CANA. Ali estava a radiografia daquela artista que trazia o sofrimento do mundo dentro de si, e que fazia da arte a sua arma em prol dos sofridos.

    Somente um coração preocupado com o homem, com o sofrimento do mundo e com a arte poderia retirar de dentro de si palavras tão belas e verdadeiras. Como venho lhe dizendo, você é também um poetas maravilhoso. Não apenas faz versos com a tinta como com as palavras. É duplamente artista.

    Roubo as palavras do meu amigo virtual Marcos Vidinha, para lhe dizer:

    “Alvimar, parabéns pela pintura (de grande sensibilidade artística) e pelo texto (de grande sensibilidade humana).
    Fique com Deus, que ele o proteja e o abençõe e que esteja sempre ao seu lado.”

    O nosso blog está sempre aberto a receber seus trabalhos, poemas e textos.

    Um beijo no coração,

    Lu

    Responder
    1. Alvimar Cury Jr

      Minha querida amiga, perdoe-me a demora.

      Eu não seria capaz de ordenar estas palavras sem a sua ajuda, sem o empréstimo da sua sensibilidade, e suas capacidade de controlar frases, palavras, este talento particular que você trás. Eu novamente tenho vontade de expressar toda minha gratidão. Eu não entregaria esta confiança para outra pessoa.

      Agradeço ser chamado “poeta”, embora eu pense que estou distante de me apossar deste título. É uma honra que minha simplicidade e consciência não me permitem receber. Ainda se tratando de um país e de uma língua onde poetas maravilhosos desfilaram uma maestria digna de louvor.

      A você deixo uma gratidão maior, e todos sentimentos bons que eu possa imaginar. Graças ao seu trabalho a vida de pessoas é transformada, e consciências são alteradas. Ideias e pensamentos podem transformar-se de um estado escuro, para o brilho mais claro de um dia de sol.

      Obrigado!

      Alvimar

      Responder
      1. LuDiasBH Autor do post

        Irmãozinho

        Eu apenas ordenei as frases.Todo o mérito é seu, que é um poeta maravilhosos. Diante da emoção que me repassou, só me resta dizer:
        Meu coração está cheio demais para palavras, preciso de um tempo para expressá-las.

        Beijo no seu coração,

        Lu

        Responder
  2. Marcos Antonio Vidinha

    Meu prezado amigo Alvimar,

    Feliz do artista que consegue transformar a dor do sofrimento numa bela obra de arte. Feliz do artista que consegue transformar o sofrimento transpassado no corpo e consciente dele pela mente, numa pintura colorida, que transmite a quem a vê, ao mesmo tempo, a realidade da dureza da dor que transpassa, que invade, que fere, com a certeza da capacidade de resistir a ela, e lutar pela vida, pela arte e pela felicidade.

    O seu texto transmite a ideia de que o sofrimento, embora duro, está atrelado à esperança, à poesia, à arte, e isso demonstra que o amigo é uma pessoa sensível e ao mesmo tempo forte, um guerreiro da vida, um guerreiro da arte!
    Eu não entendo porque há necessidade do sofrimento, e, como sou insignificante e muito incompetente para entender as razões de muitas coisas, prefiro me calar e acreditar que Deus saiba que algum bem ele nos possa causar ou trazer.
    Há quem diga que quanto mais conhecimento o ser humano adquire, mais ele sofre, e eu acredito nisso, pois o conhecimento expande nossa consciência da vida. Mas se esse for o preço a ser cobrado de nós, vale a pena pagar!

    Alvimar, parabéns pela pintura (de grande sensibilidade artística) e pelo texto (de grande sensibilidade humana).
    Fique com Deus, que ele o proteja e o abençõe e que esteja sempre ao seu lado.

    Abraços
    Marcos Vidinha

    Responder
    1. Alvimar Cury Jr

      Marcos, meu amigo,

      São palavras tocantes. Obrigado. Perdoe a demora.

      Talvez por não conhecermos os os sofrimentos pensamos sempre sofrer mais. Também não sei muito sobre isso, mas acredito ter mais a agradecer. Não se trata de coragem, mas antes, da incapacidade de esquiva, a falta de opção.

      Sofrimento é algo que, como o desenho, não transmite sentimento bom, mas está ali, diante de nós, e mesmo que não o confrontemos, ele insistirá em existir. Mas o que nunca podemos permitir é que sofrimento nos leve para a destruição. Se permitirmos, ele nos levará para um lugar melhor, lá dentro de nós mesmos. E nos fará até um pouco melhores, por aceitar tudo como parte do processo. Aprenderemos então a agradecer o privilégio de participar da vida, e a ver o mundo com mais esperança, acho.

      O texto nasceu de conversas de e-emails, e terminou em uma agradável surpresa, um presente que nossa adorável amiga Lu me fez. Eu mesmo nada tenho de poeta, e sem ela, não haveria texto. Acredito que você, meu amigo, com todo seu talento e sensibilidade deve concordar comigo, quando digo que é um prazer conhecer pessoas assim. A Lu faz a vida da gente mais alegre, porque mostra que o ser humano ainda pode ter valor.

      Obrigado novamente Marcos. É uma honra ainda maior receber estas palavras de alguém que faz um trabalho ao qual eu respeito tanto.

      Alvimar

      Responder
  3. Celina Telma Hohmann

    Alvimar,

    Os poemas, ah, os poemas! Esses transmitem o que nossa alma grita! Por vezes a melancolia, a dor do amor perdido, ou não encontrado, e quando conseguimos jogar as palavras numa ordem tão nossa, tão peculiar naquele instante, então, provamos sim, que viver é uma arte! Caprichosamente dita um aprazimento! Mas a principal função da arte é ser sincera e gerar frutos para quem a faz e para quem a vê! Seus frutos foram, agora, já saboreados, passando pelo ciclo de germinação, enfim, o fruto! O seu fruto põem-nos à nocaute,pois expõe nossa fragilidade, e nos sacode, para que, de alguma forma, acordemos e percebamos que precisamos acender a chama da esperança, escapando talvez, da certeira sujeição ao sofrimento…

    Todo poeta é um só! Tem como companhia a visão da vida sob uma ótica não comum guardada no peito, como amiga fiel a esperança. E sente um sentir que é tão dele! E presenteia! Presenteia quem, com a avidez dos que se propõem a coadunar, assim o fazem! É preciso buscar na singeleza da alma .Pois ainda é possível encontrar o amor puro e inocente…

    Concordo! Temos, todos, escondidos em algum lugar dessa alma que não vemos, mas que nos mantém, o amor puro e inocente que sempre haverá em nós, mesmo que poeiras e ranços do temor ou desamor, por vezes o deixem escondidos, mas ainda assim, está lá. Basta buscá-lo e ressurgirá, posto que a raiz não feneceu.

    Seus versos acordaram e com certeza, como a mim, fizeram à você, um bem enorme! Parabéns e continue abrindo essa torneira que faz jorrar sentimentos! É assim que lavamos a alma, refletimos e percebemos que somos, afinal, somente um ser à busca das respostas que por vezes estão bem perto, dentro de nós mesmos!

    Um grande abraço, poeta! O poeta que nos leva ao doce embalo da esperança, pois precisamos tirar lições, aprender, ser útil… Um dia, sem aviso ou marcação, todos se voltam para dentro de si mesmos. Demora, haverá motivos – nem sempre tão naturais – mas o homem, mesmo que empedernecido, ainda tem em si, essa capacidade!

    Responder
    1. Alvimar Cury Jr

      Celina,

      eu quisera ser um poeta. Poder receber com autoridade suas mágicas palavras, tão musicalmente distribuídas…

      Certamente eu me sentiria injusto caso não contasse que nossa querida amiga Lu fez nascer de e-mails este texto e me deu este presente agradável, juntando cacos de sentimentos espalhados, dando origem a este mosaico poético, profundo e impactante, verdadeiro por excelência.

      Foi por intermédio da ação de nossa amiga tão querida, que agora tenho a oportunidade de tentar descrever a alegria de ouvir que estes versos fizeram bem a você. Eles foram ditos inicialmente de outra forma, numa conversa. Sem pretensão, mas com a certeza da verdade da profundidade da alma. E agora, transformados, acabam ecoando.

      Eu tenho muita gratidão. Foram palavras refrescantes.

      Sobre poetas, só tenho que concordar. São todos eles. A poesia é a mesma, sempre presente, ainda que num gesto, ou na música… Apenas mudando a linguagem. Quando escrita atinge direta, revela, esclarece, e nos coloca de frente com o que nem sabíamos ser. Algumas vezes com algo que não queríamos ser, e escondidos de nós mesmos lá estava, mas agora é nossa verdade e, dita assim, não podemos mais nos refugar.

      Para mais, toda expressão é remédio. E, se não há sentido, damos sentido quando expressamos, ou quando nos deparamos conosco dentro de um livro, diante de um quadro, ou na poesia. Quando nos questionamos e, percebendo a nós mesmos, optamos pela mudança, a engrandecedora mudança, que nos torna prontos para olhar para fora de nós, para o outro como parte de nós.

      Aceite meu abraço, minha gratidão

      Responder
      1. Celina Telma Hohmann

        Avilmar
        Conheci o poder da Lu em extrair do que expressamos o âmago! A danadinha mexe exatamente onde há que ser mexido e faz fluir aquilo que vamos acondicionando….Ela nos conhece!

        Hoje, estou eu em meio à necessidade da mudança.O silêncio que ecoa, a claridade que machuca os olhos, enfim, no meu dia de querer e precisar da mudança! Mais uma vez, ganhei meu presente, e,isso, amigo, efetivamente, esclarece…

        Obrigada, obrigada e obrigada! Termino um dia com a certeza de que poderemos, todos, olhar para fora de nós, para o outro como parte de nós! Sem querer, nos tornamos parte do mecanismo chamado vida e nesse encaixe perfeito, vamos fazendo a roda girar. E que ela gira perfeita, sincronizada e que amanhã, gire deliciosamente!

        Um grande abraço!

        Responder
  4. Edward

    Alvimar

    Seus pensamentos em toda a poesia são maravilhosos.
    E seus versos nos levam e muito à reflexão:

    “Todo homem é capaz de produzir sua arte, mas
    desde que tenha no coração algo a dizer, pois o
    importante é a verdade do que se quer produzir.”

    Lembrei-me, aqui, de Pascal, em Pensées:

    “C’est le coeur qui sent Dieu et non la raison. Voilà ce que c’est que la foi: Dieu sensible au coeur, non à la raison. ”

    (É o coração que sente a presença de Deus e, aí, está a arte, a beleza, do ser humano está em nosso espírito, que, no fundo, quando sente Deus, é puro amor), como você menciona de uma forma maravilhosa ao final de seus versos:

    “É preciso buscar a beleza na singeleza da alma,
    Pois ainda é possível encontrar o amor puro e inocente,
    que se encontra bem além das aparências, e, para isto,
    basta ater-se à beleza impregnada no espírito da gente.”

    Parabéns!

    Abraços

    Responder
    1. Alvimar Cury Jr

      Caro Edward

      Perdoe a demora. Gostaria de agradecer. Obrigado.

      Temos escolhas entre ser verdadeiros ou não ao produzirmos alguma obra, qualquer que seja esta. Sem descartar a importância da beleza, ou a sua finalidade, podemos optar por aquilo que desejamos transmitir. Através do afastamento do compromisso com a beleza, podemos nos aproximar de uma verdade que talvez nada tenha de agradável, ou que talvez queiramos esconder. Mas se esta é a nossa verdade, e se ela não é bela, ao transmiti-la devemos buscar sinceridade. E é este o compromisso com a verdade ao qual eu me refiro, o que mesmo não parecendo agradável, é a expressão mais pura de si mesmo para o outro.

      Então produzimos o amor, porque falamos do que somos.

      Meu sincero abraço

      Alvimar

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *