O SOLDADINHO DE CHUMBO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

chumbo

Jailton sempre fora um rapaz atarracadinho, que só usava a camisa para dentro da calça, com a cintura separada do tórax por um cinto preto de fivela. Ainda menino, resolvera que seria soldado, para ajudar a impor a lei, de modo as gentes viverem em paz. O apelido de Soldadinho de Chumbo nascera durante os exercícios no quartel, quando tinha que ser suspenso pelos colegas. Sempre que podia, servia apenas de trampolim para uns e outros, tamanha era a sua força. Mas, quando se dava o inverso, todos reclamavam de seu peso. Ninguém poderia imaginar, olhando para ele, que pesasse tanto. Tinha a carnadura muito socada, como diziam seus amigos.

Jailton só compreendeu a periculosidade de sua profissão, quando foi emboscado com três de seus colegas, por um grupo de traficantes. Um deles morreu e ele levou um tiro no pé que o deixou manco por toda a vida. Por isso, foi rebaixado de cargo, restando-lhe apenas os serviços burocráticos de sua delegacia, embora amasse andar pelas ruas conversando com as pessoas, ensinando as crianças a atravessarem os cruzamentos com cuidado. Insatisfeito com as suas novas funções e com os baixos salários recebidos, resolveu deixar a corporação.

Mais cedo do que esperava, um bondoso senhor foi à sua procura para que tomasse conta do sítio de seu filho. E foi lá que Jailton conheceu Clarice, a serviçal da casa. Não demorou muito para que se apaixonassem. Como ela trabalhara num circo como bailarina, todas as noites dançava para ele, que ficava todo orgulhoso e mais apaixonado ainda. Mas, como a vida é cheia de imprevistos, o patrão trouxe para o local um rapaz  encarregado de fazer uma cerca e que, para tristeza do soldadinho, também se apaixonou por sua bailarina.

Certo dia, Clarice teve que ir à cidade fazer umas compras e, para se ver livre de Jailton, o novo empregado colocou um pó estranho no seu café, que o fez cair num sono profundo. O malvado. então. aproveitou para jogá-lo nas margens de um rio. Um grupo de menores marginais, reconheceu o soldado e, como vingança, jogou-o dentro de um bueiro, onde vivia um casal de ratazanas, que não querendo dividir seu espaço, empurrou-o para o rio. Ali, um pescador encontrou o soldado ainda vivo e foi pedir socorro exatamente no sítio onde ele morava. A bailarina reconheceu-o e, junto com os amigos da redondeza, ofereceu-lhe uma festa de boas-vindas.

Mas nem tudo estava bem para Jailton que ainda se encontrava meio abilolado. E o malfeitor, que lhe causara tantos danos, estava inconformado com a sua volta. Tinha que dar um jeito de acabar com seu rival. Assim, quando o fogo da lareira estava bem alto, sem que ninguém visse, jogou o soldadinho dentro. Clarice, que apareceu na hora, pulou na lareira atrás dele, para salvá-lo. Mas as chamas estavam muito altas e acabaram consumindo os dois, cujos esqueletos foram encontrados abraçados, ficando unidos para sempre.

(*) Imagem copiada de www.portalsaofrancisco.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *