OS FRANCESES E O VINHO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

vinho

Estando na Europa, passo a focar na coluna das próximas semanas temas relacionados entre saúde e os povos do Velho Continente. Os franceses, por exemplo, quando comparados com outros povos do mesmo nível sócio-econômico-cultural, são mais sedentários, fumam mais e comem mais gorduras saturadas – os queijos, patês e manteiga são usuais na culinária francesa – e, no entanto, têm a metade dos problemas cardiocirculatórios. Daí o termo: “Paradoxo Francês”.

Embora outros artigos científicos já tratassem desse assunto antes, foi o anúncio do “Paradoxo Francês” que despertou a atenção sobre o tema ‘vinho e saúde’. Uma publicação na revista “The Lancet” demonstrou que, nos países em que o consumo per capita de vinho é maior, a mortalidade por causa cardiocirculatória é menor, e vice-versa. E os franceses consumiam, à época, uma média anual de cem garrafas de vinho por pessoa, além de beber sempre junto com as refeições.

O anúncio do “Paradoxo Francês”, no início dos anos 90, colocou a comunidade científica a pensar. Até então, o que a ciência nos ensinava é que ingerir bebidas alcoólicas era tão prejudicial quanto fumar. Com esses dados, um conceito científico teria que ser mudado. E chegaram à conclusão de que a ingestão leve a moderada de bebidas alcoólicas, sobretudo o vinho, reduz o risco das doenças e da mortalidade cardiovascular de 40% a 60%. Se era o vinho que causava tamanho benefício à saúde, qual era então a substância que fazia tudo isso acontecer?

Passados quase 20 anos, várias centenas de pesquisas confirmaram os dados do “Paradoxo Francês”. Inúmeros estudos explicam os mecanismos pelos quais essa proteção acontece e evidenciam outros efeitos favoráveis do vinho, como o aumento da longevidade e a proteção do cérebro e do sistema cardiocirculatório. Chegaram à conclusão de que o benefício vem das uvas e seus derivados, como vinho e sucos, que são ótimas fontes naturais de antioxidantes, particularmente os vinhos tintos, pelo seu alto teor de polifenóis. O seu principal representante é o resveratrol. O composto polifenólico é encontrado em uvas frescas, suco de uva e vinho, e é produzido pela casca das uvas em resposta à exposição fúngica. O resveratrol protege o sistema cardiovascular por inibir a oxidação do colesterol, a agregação plaquetária, e promover o relaxamento vascular, melhorando, também, a pressão arterial.

Estudos feitos a partir do “Paradoxo Francês” mostram que é possível agregar o prazer de beber e ter benefícios para a saúde. Mas, para isso, é necessário que se faça junto com as refeições, de maneira regular e moderada, e somente se não houver contraindicação ao consumo de bebidas alcoólicas. Porém, este mesmo benefício pode ser obtido com o consumo regular de suco de uva. De qualquer forma, um brinde à saúde.

5 comentários sobre “OS FRANCESES E O VINHO

  1. GERALDO MAGELA CORDEIRO

    Qualquer substância que houver no vinho, eu prefiro tomar um bom Bordeaux ou um bom Porto, que faz bem à saude e ao ESPÍRITO!

    Abrs do

    Geraldo Magela

    Responder
    1. Adevaldo Rodrigues

      Dr. Telmo

      Bacana seu artigo e nos estimula a preferir o vinho nas refeições. Uma dúvida: são válidos tanto para o tinto como para o branco?

      Abraço,

      Adevaldo

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *