Pedro Rui Sofia – O ABANDONO

Autoria de LuDiasBH

portuga    portuga I

Pedro Rui Sofia apresenta-nos sua composição O Abandono. Ele é um artista português, cuja vida, dos 18 aos 30 anos foi um mergulho nos abismos do vício (drogas e bebidas), até que, depois de 12 anos no “escuro”, um acontecimento trágico trouxe-o de novo à vida. Relato abaixo parte de sua história, nas suas próprias palavras, que também nos trazem a certeza de que é possível mudar, ainda que os caminhos pareçam ocultos pela névoa do desespero, do abandono e do impossível.

“O meu gosto pelo desenho despertou quando ainda estava no primeiro ano de escola, aos seis anos. Via meu irmão mais velho a desenhar e eu o copiava. Meu primeiro trabalho foi uma moto, que se tratava de um exercício escolar, no qual tirei a segunda nota mais alta da turma. Depois disso, feliz com o resultado obtido, passei a praticar o desenho todos os dias, até próximo aos meus 18 anos, quando parei. Desse tempo, até os 30 anos, minha vida passou a ser muito escura, mergulhada em vícios que me fizeram muito mal. Até que um dia, a vida deu-me uma grande rasteira, quando tropecei numa escada, levei um tombo, partindo um quarto do meu crânio. Fiz dez cirurgias, e depois passei a usar prótese, sendo que a primeira foi rejeitada pelo meu organismo. O sofrimento que a vida proporcionou-me, ou melhor, que eu me proporcionei, também foi responsável por um “estalo”, que me fez acordar, antes que fosse tarde.

Ao desenhar, sinto-me realizado. Faço traço atrás de traço, vendo meu trabalho nascer, tomar forma, ganhar vida. Quando o dou por acabado, ponho-me a olhar para a minha obra e eu mesmo me pergunto: Fui eu que fiz isto? Nunca participei de nenhuma escola de arte, pois sou de família humilde, embora tenha estudado, quando criança, em Paris, pois meus pais eram imigrantes. Tirava sempre notas boas nos trabalhos manuais, fosse madeira, barro ou desenho, pois gostava muito de criar. Penso que existe um artista dentro de mim.

Quando me ponho a trabalhar com meus desenhos, meus bichinhos (cachorros e gatos) ficam sempre perto de mim. Os cachorros ficam quietos, mas os gatos às vezes cismam de ficar brincando com os lápis. Nesses momentos eu me esqueço de tudo, mergulho profundamente na minha arte e sinto-me feliz. Agora, fizeram-me um desafio para pintar a óleo. Presentearam-me com óleos e pinceis, justamente quando eu ia me inscrever num curso de oleiro. Ah! Também sou carpinteiro com diploma. Penso que os meus desenhos têm clarividências, pois são muito, mas muito intuitivos. Nem sempre gosto de ter intuições, pois as coisas acabam acontecendo. Meu protetor é o anjo Gabriel.

Hoje, eu me acho espiritualmente desenvolvido, pois tenho lutado para transformar-me numa pessoa melhor. Também sou muito comunicativo. E, através de minhas palavras, procuro ajudar as pessoas.”.

Ao ser perguntado sobre o que havia desenhado, Pedro Rui assim explica:

“Meu desenho mostra uma paisagem, que traz uma cabana abandonada em primeiro plano, com peças de uma antiga mó encostadas a ela. Atrás da cabana despontam-se troncos de árvores secas. A natureza encontra-se triste, num profundo abandono. Mais ao fundo, à esquerda, uma montanha parece querer atingir o céu. É uma noite de trovoadas, com a lua obscurecida por pesadas nuvens, prestes a desabar sobre a paisagem. As aves voltam apressadas para casa. Um furacão está a aproximar-se. O mais interessante é que, antes de fazer este desenho, eu tinha o pressentimento de que algo sério iria acontecer. Então eu o fiz pensando num furacão, que iria atingir aquele lugar. Meses depois, meu país (Portugal) foi assolado por dois furacões.”.

E arrematou:

“As pombas do quadro são a liberdade e a paz. As árvores são as sementes que brotaram, mas não deram frutos, morreram, mas há plantas à frente, do lado esquerdo inferior, e essas deram frutos e flores. Estou a falar de todos nós, humanos, que devemos ser como as plantas que dão  bons frutos e flores, nesta vida.”

Ficha técnica
Ano: 2012
Técnica: desenho
Dimensões: 61 x 51 cm
Localização: coleção própria

21 comentários sobre “Pedro Rui Sofia – O ABANDONO

  1. Leila Gomes

    Lu

    Parabéns pela postagem. Você como sempre trazendo um pouco de nós para dentro da gente.

    Abraços,

    Leila

    Responder
      1. Leila Gomes

        Lu,

        Obrigada pelo elogio, mas, não tenho a sua eloquência. Prefiro continuar a ler os seus.

        Abraços

        Leila

        Responder
    1. Rui

      Leila

      É verdade, penso que sou também um artista na comunicação, e que eu andei anos sem me aperceber, não parei para pensar, porque as ansiedades da vida não me davam sossego, ou melhor, eu andava zangado comigo próprio. Agradeço pelo seu tempo que é precioso.

      Abraços

      Responder
  2. Patricia Sampaio

    Oi, Pedro Rui!

    Que bela é sua pintura. Intrigante, curiosa e conclusiva. Vê-se que você é um artista nato. Rui, nem sempre acertamos no caminho e escolhas que tomamos em nossa vida. O importante é recomeçar, aprender com nossos erros e a cada dia tornamos pessoas melhores. Quando descobrimos que temos autonomia sobre o nosso ser, capacidade de nos transformar e administrar nossas culpas, medos , perdas, tristeza e vitórias, isto nos faz subir na escala evolutiva como seres humanos racionais. O tempo que levamos pouca importa. Acredito também que, quando paramos para escutar nossos sentimentos, encontramos um recado profundo que vem no fundo de nossas almas e faz fluir aquilo que temos de melhor.
    Parabéns pelo seu trabalho e pela sua conquista.

    Responder
    1. Rui

      Patrícia
      Desculpe-me por não ter respondido ao seu comentário, ando um pouco atarefado. Como diz, nós somos essa força, pois ela andava escondida, e tive que levar um estalo da vida. Dia após dia temos sempre que “parar”, refletir e perguntar como está indo nossa vida.
      Obrigado pela riqueza que você me deu, ou seja, um pouco do seu tempo, e assim fiquei mais rico.

      Abraços

      Responder
  3. Matê

    Pedro Rui

    Este blog sempre nos oferece a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas! Você está certíssimo quando diz “Ao desenhar, sinto-me realizado.”Parabéns pelo seu exemplo de superação.
    Abraços

    Matê

    Responder
    1. Rui

      Matê

      É verdade, quando falo tento sempre dizer as palavras certas, nunca ser desenfreado com elas, pois a palavra é como um fósforo, a palavra vã pode queimar, magoar, como um fósforo que acendido numa floresta queima muitos hectares. Sou grato por admirar o meu quadro e pelo seu tempo a mim dedicado.

      Abraços

      Responder
  4. GERALDO MAGELA CORDEIRO

    Caro Pedro Rui

    Realmente a obra de arte e o seu são emocionantes. Sua existência é um exemplo de superação pelo sacrifício e pela batalha pela vida. Foi um tremendo choque de realidade que o fez parar e repensar sua vida. E valeu a pena, como vale a pena para nós, conhecer a obra e a sua pessoa , uma pessoa inspirada e inspiradora.

    Abraços

    Responder
    1. Rui

      Caro Geraldo

      Eu nunca estive sozinho, Deus esteve sempre comigo, a quem eu chamo de “Pai celestial”. Eu sei que sou amado por ele. Somos uma força da natureza, temos um cérebro muito maior que uma biblioteca, pois podem tirar tudo de nós, menos o que está nele. A liberdade de pensar e de por em prática é o que utilizo no meu quadro.

      obrigado pelo seu tempo a mim dedicado, pois é de muito valor.

      Abraços

      Responder
  5. Marcos Vidinha

    Pedro Rui

    Meu prezado amigo, veja só como é a vida… Há poucos dias atrás, eu estava respondendo a um comentário que o amigo gentilmente colocou no Blog da amiga Lu, sobre uma pintura minha, e agora estou eu aqui fazendo um comentário no maravilhoso Blog da amiga Lu, ao tomar conhecimento desse seu belíssimo desenho.

    Há um ditado que diz que “Deus escreve certo por linhas tortas”, mas eu acrescento que ele não só escreve, como desenha, como pinta, como esculpe, como canta, como dança, pois Deus também é um artista, na realidade o artista dos artistas. Ele faz isso de maneira majestosa na natureza, no universo e usa-nos como instrumentos das suas mensagens. Nós não conseguimos entender certos fatos que ocorrem em nossas vidas, pois muitas vezes a nossa vontade não predomina, mas para todos os fatos há uma explicação, ainda que não saibamos seus motivos.

    Pedro, a sua vida tomou um caminho que não foi bom, mas hoje você está no caminho certo. Persista desenhando coisas de grande beleza artística e poética como esse seu desenho, e busque também na pintura a óleo ou acrílica (a que você se sentir melhor, ou as duas) expressar suas emoções, trazendo para a tela a sua arte, a sua comunicação para com o mundo.

    Não sei em que localidade você nasceu. Meus pais nasceram na Reguenga, em Santo Tirso, Cidade do Porto. Estive na Europa visitando treze países, em 1998, e fui visitar meus parentes em Portugal, onde me senti tão bem, como se estivesse no Brasil. Adorei a luz do céu de Lisboa. Se Deus me permitir, ainda irei pintar um quadro em Lisboa, para captar toda a grandiosidade dessa luz divina que se projeta nessa maravilhosa cidade.

    Pedro, um grande abraço. Que Deus o abençoe e ajude-o a realizar todos os seus sonhos.

    Marcos Vidinha

    Responder
    1. Rui

      Caro Marcos Vidinha
      Marcos sou portuense, nasci e moro na cidade, que é a maior cidade de Portugal. Todas as cidades que comentou são também de norte e eu conheço bem. Então nas suas veias corre sangue português!

      Obrigado pelo seu comentário e eu também sou seu admirador.

      Abraços

      Responder
  6. Rui

    Querida Lu

    Você me deixou sem palavras. É verdade que sou muito intuitivo e tenho muitas vezes clarividências, só há cinco anos me apercebi, pois tudo isso passa as minhas obras de arte onde eu me realizo. Tornou-se uma forma de comunicar, até avisar que coisas ruins podem acontecer,em minha casa, mas só um dos meus irmãos acredita em mim e leva muito a sério.

    Lu, obrigada pelo belo presente da postagem.Não podia eu receber um presente tão grande, não só pelo desenho, mas também pela sua dedicação e amor que tem por todos nós, seus leitores. você dá-nos o que tem de mais valioso: seu “tempo e dedicação”

    Um beijo no seu coração.

    Responder
  7. Moacyr Praxedes

    Pedro Rui

    Gostei muito do seu trabalho e do modo como descreve o que lhe aconteceu. Além de artista, você é também um grande guerreiro.
    Meus parabéns,

    Moacyr

    Responder
    1. Rui

      Moacyr

      Eu também gosto de agradar os outros. A vida me ensinou a navegar nela através das coisas simples. Comi o que o “dito” amassou, mas venci.
      Fico muito feliz por ter gostado do quadro.

      Abraços

      Responder
  8. LuDiasBH Autor do post

    Pedro Rui

    Parabéns por ter conseguido sair da “escuridão”, e, sobretudo, por ter superado as consequências de sua queda. Você é realmente um ser iluminado. Eu, sua amiga de além-mar, tenho sido presenteada com a sua presença constante no blog, com seus sábios comentários e com a alegria que expande. Mesmo ao passar pelas demoradas cirurgias, nunca saiu de si uma palavra de desconsolo, de indignação ou revolta. Não jogou para a vida a acusação de suas escolhas, mas sabiamente tomou-as para si, buscando fazer o melhor para compensá-las.

    Pedro Rui, você é um artista em todos os sentidos. Sinto-me orgulhosa de tê-lo como amigo. Seu desenho é uma prova desse dom maravilhoso que carrega.

    Abraços,

    Lu

    Responder
    1. Rui

      Amiga de além-mar, querida Lu!

      Se eu não aprendesse com os meus erros, então como iria aprender, não é mesmo? À minha volta estou bem revestido de muito amor, é isso que me faz forte. Na vida faço irmãos, pois sei perdoar para ser perdoado. Nós temos que não deixar que as ansiedades da vida sejam mais fortes de que nós.

      Lu, agradeço por fazeres parte da minha vida, pois, com todos no blog, sinto-me mais rico. Sou muito feliz por ter-te como uma irmã de além- mar.

      Abraços

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *