PROVÉRBIOS POPULARES E ERUDITOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

aldhux

Não existe nada mais bem distribuído no mundo do que o bom senso, pois todo mundo julga estar tão bem dotado dele que, mesmo os mais difíceis de contentar em outras coisas, não costumam desejar dele mais do que possuem. (Descartes)

No estudo dos provérbios torna-se necessário diferenciar bom senso de senso comum, pois, enquanto o primeiro trabalha com a razão, o segundo nem sempre está de acordo com ela. O senso comum nasce do saber simples, da observação empírica, sem qualquer base científica, o que muitas vezes leva ao erro, principalmente quando se trata de uma verdade mais complexa, ao contrário do bom senso.

Os provérbios podem ser divididos em populares e eruditos. Os populares são os ditos, ditados, rifões e anexins. Os eruditos costumam ser chamados de aforismos, axiomas, apotegmas, máximas, sentenças, adágios, etc.

Os provérbios populares são sempre anônimos, nascidos em meio à gente comum, embora observadora e sagaz, que cai no agrado do povo e vai viajando mundo afora. A maioria deles origina-se da vida rural. Embora os provérbios populares sejam uma expressão da sabedoria popular, muitas vezes arguta e inteligente, é natural encontrar alguns nascidos de experiências superficiais, desprovidos de virtudes. Portanto, é natural encontrar neles tanto o bom senso quanto o senso comum, ou os dois misturados.

Com a saída do homem rural do campo para a cidade, os provérbios populares foram também migrando para as grandes cidades. Hoje é comum encontrar um tipo e outro, aonde quer que se vá.

Os provérbios eruditos, ao contrário dos populares, são urbanos, embora nem todo provérbio urbano seja erudito. Eles trazem o nome do autor e são revestidos de uma filosofia culta, muitas vezes inacessível às pessoas comuns, ou mesmo impopular, onde costuma predominar o bom senso, contrariando o senso comum.

As sentenças proverbiais populares são quase sempre bem-humoradas e irônicas, pois o povo costuma rir da própria desgraça. Mesmo nos provérbios eruditos, nós encontramos escritores bem-humorados como Voltaire, Russeau e Descartes.

Exemplos de provérbios eruditos:

  1. Ninguém promete tanto quanto quem não pretende cumprir. (Francisco de Quevedo)
  2. Nada se deve imputar aos dementes e aos namorados. (Machado de Assis)
  3. Eleva a tal ponto a tua alma, que as ofensas não a possam alcançar. (Descartes)
  4. Ultrapassar o alvo é tão ruim quanto não atingi-lo. (Confúcio)
  5. Não desejes, e serás o homem mais rico do mundo. (Cervantes)
  6. Toda ambição deveria ser feita de pano mais resistente. (Shakespeare)

Exemplos de provérbios populares:

  1. Em grota de surucucu não desce nem urubu.
  2. Antes burro que me leve que cavalo que me derrube.
  3. Urubu quando é azarado, o de baixo suja o de cima.
  4. Em rio que tem piranha, jacaré nada de costas.
  5. Quem anda com perereca tem que aprender a pular.
  6. Quando a esmola é grande o santo desconfia.

(*) Imagem copiada de http://kdfrases.com/frase/91378

Fontes de pesquisa:
A Sabedoria Condensada em Provérbios/ Nelson Carlos Teixeira
Provérbios e Ditos Populares/ Pe. Paschoal Rangel
Nunca se Case com uma Mulher de Pés Grandes/ Mineke Shipper
Entre Palavras/ Nereu de Cesar Moraes

2 comentários sobre “PROVÉRBIOS POPULARES E ERUDITOS

  1. LuDiasBH Autor do post

    Gui

    Que bom saber que você veio visitar o nosso blog.
    Estamos com muita novidade (ver links abaixo do banner).
    Poderá escolher o assunto que quiser.
    Tenho escrito muito.

    Tudo o que disse é verdade.
    A arte da convivência não é fácil, daí a necessidade de procurar se colocar no lugar do outro, para melhor entendê-lo, como você diz.

    Beijos,

    Lu.

    Responder
  2. Gui Oliveira

    Olá Lú,

    Há algum tempo, uma pessoa me disse que o bom senso é algo que a maioria das pessoas pensam ter, mas na verdade, são poucas as pessoas que o tem.

    Ao iniciar a leitura do texto voltei a refletir sobre o assunto, pois diz exatamente o que tinha ouvido.
    E ao pensar sobre os provérbios, chego a conclusão que, em ambos, há algum conhecimento que possa ser aproveitado, não necessário para prática em nossa vida, mas para entender o outro, a forma como pensa, a sua realidade.

    Abraços,
    Gui

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *