QUÃO BOBA FUI EU!

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

conluva12

O rio desenrosca de seus tropeços,
pra alcançar o belo e longínquo mar,
eu abri mão de parte de minha vida,
pra deixar seu amor me guiar.

Deixei de lado minha tola existência,
pra me imergir no abismo da paixão.
Se a primeira comprimia minh’alma,
a segunda converteu-me em emoção.

Transformei o amor em boba crença,
abrindo mão da sabedoria e da razão.
Débil, caminhei por areias movediças,
feito criança andando em vão.

Mas o amor dele migrou-se pra longe,
partiu pra outras terras desconhecidas.
O meu habita onde o rio faz sua curva,
tão límpido, ingênuo e sem guarida.

Meu coração é agora um frágil barco,
que roto, sacoleja sozinho e à deriva.
Segue navegando entre os rochedos,
em meio às tempestades da vida.

Nota: obra de Edvard Munch

4 comentários sobre “QUÃO BOBA FUI EU!

  1. Pedro Rui

    Lindo poema, eu ando como o rio, caminhando pela paixão, meu coração está fortalecido. Que haja paixão e que seja fortalecida com muito amor, que os dois andem com respeito e harmonia.
    Abraços Lu

    Rui Pedro

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Para que haja amor e harmonia é preciso que haja respeito. Caso contrário, o amor vai embora e o coração vira um frágil barco.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Patricia

    Oi Lu!

    Muito lindo lindo seu poema.
    Sei bem o que é navegar por estes mares e caminhar por areia movediças.

    Um grande abraço

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      O importante é que o barco continue a navegar por entre as correntezas da vida, pois tudo há de passar com o tempo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *