RASGANDO SEDA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

seda

Com o tempo e paciência, a folha da amoreira transforma-se em uma roupa de seda. (Provérbio chinês)

Os segredos de antigamente eram muito mais bem guardados do que os de hoje. Prova disso foram as centenas de anos em que os chineses conseguiram manter oculta a fabricação da seda, guardada como segredo capital. Ninguém, que não fosse alguns chineses, imaginava como da folha de amoreira pudesse sair a produção de tão cobiçado tecido.

O certo é que havia centenas de anos que os chineses não apenas fabricavam a seda como a exportavam, obtendo grandes lucros. O segredo era guardado a sete chaves e, quiçá por milhares de dragões. A morte seria o castigo daquele que, mesmo em sonho, ousasse revelar como se obtinha um fiapo de seda, embora em Constantinopla já houvesse o domínio do tingimento e tecelagem da seda. Mas a seda crua só poderia ser comprada na China. E ponto final!

Como Justiniano, Imperador de Roma, estivesse em guerra com os persas, responsáveis por intermediar a compra de tão valiosa matéria-prima, dois notórios monges foram enviados para a China a fim de descobrir o segredo. Naquele país, os espertinhos obtiveram casulos do bicho-da-seda. Até aí tudo bem, pois o difícil seria sair do país transportando tão bizarra mercadoria.

Os dois monges esconderam os casulos dentro de varas ocas de bambu e, para que as larvas não sucumbissem durante a longa viagem, enterraram as varas em estrume. E assim, o tão bem guardado conhecimento chinês ganhou vida, ou melhor, ganhou asas no Império Bizantino.

A expressão “rasgar seda” significa desdobrar-se em amabilidades, bajular excessivamente. Não se sabe ao certo, se o teatrólogo Luís Carlos Martins Pena (1815-1848) já a conhecia antes de acrescentá-la a uma de suas peças, pois tais expressões espalham-se mundo afora. Na peça, um vendedor de tecidos tenta cortejar uma moça sob o pretexto de vender-lhe sua mercadoria. Ela, contudo, descobre quais eram as reais intenções do moço e lhe diz na fuça:

– Não rasgue a seda, que ela se esfiapa!

Nota: Imagem copiada de www.arcauniversal.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *