SÍNDROME DA IMOBILIDADE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

O Brasil, assim como o mundo, está envelhecendo. A pirâmide etária está tomando novo formato. Teremos mais idosos que jovens e crianças em todo o mundo em 2030. As famílias estão cada vez menores, com menos filhos a cada década. Por outro lado, estamos vivendo mais, mas não necessariamente melhor. Como é possível ter uma vida melhor e com mais saúde na terceira idade? Os usos de suplementos alimentares podem ajudar?

Na terceira idade, ocorrem alterações no nosso metabolismo. O estômago já não digere com a mesma facilidade certos alimentos. De igual forma, a absorção dos nutrientes também não ocorre como antes. Isso sem contar que uma parcela desta faixa etária começa a acumular crenças de que certas comidas lhes farão mal. E, por consequência, a alimentação tende a ficar mais limitada, aumentando o risco de carências nutricionais. Portanto, considerar a suplementação, em casos específicos, pode ser uma boa pedida.

Em 2013, a Universidade de Medicina e Saúde Pública de Wisconsin, nos Estados Unidos, publicou na revista “Osteoporosis International” dados sobre as doenças mais comuns em pessoas acima de 60 anos, como a osteoporose, osteoartrite, obesidade e a sarcopenia – perda de massa muscular. Estas patologias impedem o sujeito de caminhar com destreza e de se movimentar. Portanto, atitudes simples do dia a dia como comer, tomar banho, ir ao banheiro e outras atividades ficam severamente limitadas. Essas limitações do idoso são chamadas de síndrome da mobilidade e afetam, em média, 30% em pessoas desta faixa etária.

A primeira consequência é a perda de massa muscular que sustenta o corpo, diminuindo a mobilidade. A partir daí, começam todos os problemas: músculo fraco leva, necessariamente, a problemas de sustentação, aumentando o risco de quedas e fraturas. O indivíduo não se movimenta mais direito e, com isso, aumenta a probabilidade de se tornar obeso.

Falando de suplementação, vamos iniciar pelas proteínas. Elas são imprescindíveis na construção da massa muscular. Portanto, se temos um idoso com uma importante perda muscular, com nítida atrofia dos músculos, a suplementação proteica é de extrema importância. Uma das mais usadas são aquelas encontradas no soro de leite, conhecidas pelo nome de whey protein.

Já a suplementação com cálcio e a vitamina D também favorecem a mobilidade, por auxiliarem na saúde dos ossos, assim como o fósforo, magnésio e o manganês. Outros suplementos bons para a terceira idade também são a vitamina C, vitamina E, polifenóis e carotenoides. Já o uso do zinco pode ser feito em pessoas com baixa imunidade e alteração do paladar.

É importante salientar que os suplementos são apenas um complemento. Os idosos precisam ter uma alimentação saudável com uma dieta equilibrada para ter uma saúde melhor nessa fase da vida. É importante que eles consumam carboidratos, frutas, proteínas e vegetais na quantidade certa. Claro que isso deve estar associado à realização das atividades físicas aeróbicas e de musculação supervisionadas por profissional competente.

Nota: Interior de viveiro de pássaro Pablo Picasso (Bird Keeper Interior)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *