Tiepolo – APOLO PERSEGUINDO DAFNE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

O pintor italiano Giovanni Battista Tiepolo (1696 – 1770) trabalhou com a ornamentação de igrejas e palácios da aristocracia de Veneza. Pintor renomado, cuja arte contribuiu para o engrandecimento da pintura italiana do século XVIII, fez trabalho para as cortes francesa, inglesa, espanhola e russa. Seus filhos Domenico, Lorenzo e Giovanni também eram pintores.

A composição intitulada Apolo Perseguindo Dafne é uma das obras mitológicas de Tiepolo que, como as demais, tornou-se muito popular. Ela vem diretamente das “Metamorfoses” de Ovídio, que narra a paixão de Apolo, deus da juventude e da luz, pela ninfa Dafne, filha do rio-deus Peneu e seguidora da deusa Diana. O deus Apolo apaixona-se pela ninfa, depois de ser atingido pela seta de ouro de Cupido, após irritar o pequeno deus com a sua arrogância. Em contrapartida, o deus do amor atingiu a ninfa com uma flecha de chumbo, para que essa tivesse aversão pelo apaixonado.

A cena dramática, intensa e cheia de movimentos, que se passa debaixo de um pinheiro, narra o momento em que Dafne, fugindo de Apolo, encontra seu pai. Ela lhe pede para acabar com seu sofrimento. Peneu, para proteger a filha, lança-lhe um feitiço. Embora os dois se encontrem de costas um para o outro, ele gira seu corpo para protegê-la. A ninfa começa a transformar-se numa árvore (loureiro), como mostram seus antebraços e mãos, já engalhados, e sua perna esquerda já transformada num tronco. Escondido atrás do manto branco da ninfa e de seu pai está Cupido, que observa atentamente o resultado de sua travessura. O impulso do corpo de Apollo para frente, enquanto corre, como mostra o movimento de sua perna direita, parece ser o responsável para que Dafne incline-se para trás, amedrontada.

Dafne, com seu corpo nu impregnado de luz, é modelada com grande beleza, em meio à atmosfera de uma tarde quente, numa paisagem paradisíaca. Apolo veste um manto dourado, com o Sol por trás de sua cabeça, formando um halo. Ele aponta o dedo indicador da mão direita para Dafne, enquanto traz na esquerda sua aljava. O grande pote tombado, jorrando  água, tendo o deus-rio com um braço descansando sobre ele, faz parte da iconografia de Peneus, assim como a pá e o buraco escavado no solo.

Tiepolo fez várias versões do mito Daphne e Apolo, mas este é considerado o mais dinâmico, belo e original.

Ficha técnica
Ano: c.1765/66

Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 68,5 x 87 cm
Localização: Galeria Nacional de Art, Washington, EUA

Fontes de pesquisa:
Enciclopédia dos Museus/ Mirador

https://soundcloud.com/nationalgalleryofart/440-tiepolo-aebb89fe-ee1a-4762

2 comentários sobre “Tiepolo – APOLO PERSEGUINDO DAFNE

  1. José Luiz

    Lu… Antes de tudo ler a sua análise acerca das obras aqui publicadas é um misto de lirismo e poesia.
    Parabéns.

    J. Luiz

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *