TRANSTORNO DO PÂNICO E TOC

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Durante muito tempo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) colocou o transtorno do pânico (TP) e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) no mesmo espectro dos transtornos mentais, considerando a similaridade de sintomas que afetavam o paciente, mas, atualmente, eles são vistos como distintos, sendo o TOC transferido para o grupo dos transtornos de controle de impulsos, o que vem gerando algumas polêmicas. Controvérsias à parte, o fato é que esses dois transtornos vem aumentando consideravelmente em todo o mundo.

A mudança de classificação objetiva estabelecer critérios para o diagnóstico de uma doença e outra, de modo a escolher o tratamento adequado para cada uma delas. Contudo, embora apresentem quadros distintos, acontece de as pessoas com TOC também apresentarem crises de pânico, o que, muitas vezes, acaba dificultando o diagnóstico dos dois transtornos em questão, o que impede o médico de administrar ao paciente a melhor terapêutica, conforme explica o Dr. Friedman: “Às vezes, o medicamento que trata um problema poderá também amenizar o outro. Entretanto, as doses de remédios serotoninérgicos, que servem para ambos os casos, costumam ser distintas, podendo ser intoleráveis por um ou ineficazes pelo outro, com o pânico sendo mais sensível e o TOC necessitando usualmente de doses mais elevadas”.

A pessoa vítima da síndrome do TOC normalmente vê-se tomada por obsessões (distúrbio emocional em que o pensamento se fixa e se repete persistentemente), muitas vezes associados a gestos e atos compulsivos que acabam perturbando o seu dia a dia. O psiquiatra Quirino Cordeiro explica: “Os sintomas são conhecidos popularmente como ‘manias’ e causam bastante sofrimento por serem incontroláveis. Eles variam de intensidade: podem ser leves ou incapacitantes. A doença, geralmente, é crônica e raramente melhora espontaneamente, sem alguma forma de tratamento”.

O portador de TOC não possui nenhum controle sobre esses pensamentos indesejáveis e intrusivos, causadores de medo ou desconforto e ansiedade. Eles podem aparecer das mais diferentes maneiras (números, palavras, músicas, etc.). Em consequência da obsessão vem a compulsão, ou seja, a pessoa passa a ter comportamentos repetitivos e excessivos, tendo que realizar a mesma ação várias vezes, como verificar se portas e janelas estão fechadas, lavar as mãos com medo de contaminar-se com germes, etc.

Os pensamentos intrometidos induzem a vítima de TOC a executar esta ou aquela ação sob o impulso do medo. Ela acredita que, se não agir em conformidade com o seu pensamento, algo ruim irá acontecer. Portanto, precisa atender à mensagem que eles passam, evitando, assim, qualquer risco. Algumas vítimas do transtorno, para fugir de tais ameaças, passam a adotar certos tipos de comportamento, como não tocar em certos objetos. Quando isso foge à sua vontade, ela poderá entrar em desespero, o que lhe ocasionará um ataque de pânico.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) encontra-se entre as dez patologias psiquiátricas mais comuns em todo o mundo.

Nota: A Refeição do Cego, obra de Pablo Picasso.

Fonte de Pesquisa
Revista Guia Minha Saúde/ Edição Especial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *