TRÊS PASSOS PARA A CURA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Daniel Sossi

Sou técnico e sempre trabalhei na área de engenharia e administração financeira. Em 2013, eu me mudei de Jundiaí/SP para Ubatuba/SP, na busca de melhor qualidade de vida para mim e minha família. Deixei o trabalho numa multinacional e segui meu caminho. Durante três anos foram somente férias, surf, álcool e muita comida… Até que algo me aconteceu,  depois de gozar de uma saúde perfeita, moreno de sol de tanto surfar e me achando o melhor.

Num almoço com meu chefe e um cliente, minha pressão baixou muito, tudo escureceu e fui parar no hospital. Muitos exames e nada! Entre tonteiras, pressão subindo e descendo e desesperos passaram-se dois meses. Certo dia, num final de tarde, estava assistindo a um filme deitado no sofá, quando um medo imenso me dominou. Comecei a rezar. Fui tentar sair de casa e fiquei com medo de tudo, mas peguei na mão de Deus e, na esquina, liguei para o meu médico. A sorte é que eu tinha um amigo médico e dos bons (Dr Antonio Valente)! Eu estava em pânico e entrando num processo depressivo. Ele disse para eu ficar tranquilo, que havia cura e não seria difícil, mas seriam necessárias algumas mudanças em minha vida.  Explicou-me que a cura para essa doença mental era dividida em três tipos diferentes de tratamento:

  • remédio (antidepressivo);
  • psicoterapia;
  • e fé.

Logo que saí do consultório,  comprei o remédio, marquei um consulta com uma psicóloga e, no outro dia, pedi ajuda a um amigo que tinha muita fé.

O médico me receitou 10 mg do antidepressivo, subindo depois para 20 mg. Depois de três meses comecei a ter uns tiques nervosos e ele baixou a medicação para 10 mg. Melhorei, mas os tais tiques voltaram e ele baixou para cinco mg e depois tirou o remédio. O desmame durou dois meses e meio. Durante esse período de tratamento, num total de sete meses,  tratei muitas disfunções emocionais com a psicóloga, o que foi fundamental para minha cura. Ainda continuo com a terapia.

A minha fé em Deus fez toda a diferença! Buscá-lo nesse momento foi fundamental para o meu reequilíbrio psicológico e emocional. Aproveitei a doença para me transformar completamente e largar o mundo do cigarro e do álcool.  Melhorei a alimentação e modifiquei minhas  ações.  Também contei com o apoio de minha esposa e filha, ambas muito pacientes e amorosas, ajudando-me muito! Sou muito grato a Deus e a elas!

Quem está neste barco deve buscar ajuda médica, seguindo a orientação de um especialista, ajuda psicológica e também divina. Parte desta doença vem das nossas emoções e, por isso, precisamos curar nossa alma também.

Deus abençoe a todos!

Nota: ilustração é uma obra de Vincent van Gogh

 

3 comentários sobre “TRÊS PASSOS PARA A CURA

  1. Daniel Autor do post

    Lu
    Segundo o médico me esclareceu no início do tratamento, é preciso tratar os traumas emocionais e em especial da infância. É que quando pensamos em trauma, pensamos em algo forte e repentino… porém ele pode ser suave e constante.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Daniel

      É verdade, muitos traumas da infância podem desencadear sintomas graves no futuro, contudo, existem os transtornos mentais ligados unicamente ao funcionamento de nosso cérebro. Nós precisamos aceitar que este órgão adoece como qualquer outra parte do corpo. A depressão, por exemplo, é hereditária na minha família materna (bisavó, avó, mãe, várias tias e primos… e eu).

      Gostaria de prepará-lo para que saiba que as doenças mentais são recorrentes, ou seja, vão e vêm. Portanto, não se assuste caso haja uma recorrência consigo daqui um tempo, bastando apenas retornar ao tratamento.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. LuDiasBH Autor do post

    Daniel

    Dentre os transtornos mentais está a Síndrome do Pânico que realmente é amedrontadora, pois passa a sensação de morte iminente. Quase todas as pessoas, antes de iniciar o tratamento, acabam no hospital, passando por inúmeros exames que não diagnosticam nada. Como se trata de um problema químico, advindo do mau funcionamento dos neurônios, faz-se necessário o uso de antidepressivos. O nosso cérebro adoece assim como as demais partes de nosso corpo. Realmente são importantes os três passos citados para a cura: medicamento, psicoterapia e fé. Juntos formam um tripé imbatível.

    Um abraço,

    Lu

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *