TV – EMBURRECE, EDUCA OU ENGORDA?

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

tv

Muito se tem discutido sobre a influência da televisão na vida das pessoas.  E, mesmo com a chegada dos celulares nas localidades mais remotas do planeta, assim como a proliferação diária dos blogs e redes sociais, a televisão continua no foco das discussões. De um lado estão aqueles que a abominam e do outro os que têm loucura por ela. Quem será que está com a razão?

Para se colocar contra ou a favor de qualquer coisa, primeiro é preciso se informar sobre os dois lados da moeda. Portanto, nada melhor do que conhecer a opinião de pessoas gabaritadas no assunto. Por isso, trago a visão de Charles Kenny, economista estadunidense, especializado em desenvolvimento, que se coloca a favor da televisão. Em sua opinião, a TV não engorda e não emburrece, mas melhora a nossa vida e será responsável por salvar o mundo. Vejamos em que premissas o autor de respeitados artigos na revista Time e no jornal London Times, baseia-se para defender seu ponto de vista:

  1. A TV possui um alto índice entre as populações do mundo (no Brasil encontra-se em 97% dos domicílios).
  2. É o meio de comunicação que prende as pessoas por mais tempo.
  3. Sua popularização ajudou a reduzir a taxa de natalidade.
  4. Incentivou as famílias a enviar suas filhas para a escola.
  5. Contribuiu para a rejeição da violência doméstica.
  6. É relevante no aumento global da interatividade (as pessoas em todo o mundo respondem com ajuda humanitária em casos de tragédias).
  7. Reduz o apetite para a guerra entre as nações.
  8. Aumenta o desejo de lidar com os desafios ambientais globais.

Não há como ignorar que a TV ainda é o meio de comunicação mais barato (não cito aqui a TV a cabo no Brasil) e o mais influente, pois o acesso à internet ainda é pequeno no mundo, principalmente nos países mais pobres, onde as famílias de baixa renda não podem pagar um provedor. Embora a internet seja mais democrática em termos da diversidade do pensamento, a TV torna-se mais democrática em relação a seu alcance. Sem falar que seu uso é bastante simples, não exigindo que as pessoas dominem certas técnicas. Ela tanto pode ser vista pelo analfabeto quanto pelo letrado.

Segundo Charles Kenny, embora a TV seja um fenômeno global, ela ainda tem um grande espaço para preencher, pois nos países pobres, onde há limitação de energia elétrica, muitas famílias ainda sonham em ter uma televisão em casa. Outra coisa que veio para ajudar no crescimento da TV é a chegada da TV digital, via cabo e satélite.

O lado ruim da TV nos países em desenvolvimento e de terceiro mundo é que ela se encontra em mãos de uns poucos, que acabam reforçando o pensamento único, em detrimento da pluralidade. Por isso, temos que cobrar dos governos que rádios e TVs não sejam propriedades de alguns e que haja leis severas contra tais posturas. Pois quanto mais canais existirem, com programações e pensamentos diferenciados, mais os espectadores e ouvintes poderão escolher o que melhor lhes convier, de modo a não serem objetos de nenhum partido ou ideologia, tendo direito às próprias escolhas.

O economista Charles Kenny também rebate os estudos que mostram que o aumento da obesidade em todo o mundo está relacionado à chegada da TV. Para ele, a obesidade está ligada mais a uma epidemia mundial da doença. Vê como motivo o crescimento da renda, a urbanização, a expansão do emprego na indústria de serviços, o aumento do acesso a automóveis, o aumento no consumo de calorias diárias e a popularização do fast-food.

Ao ser questionado sobre o fato de que estudos feitos com jovens mostram que o excesso de TV leva a problemas na educação, Charles Kenny dá a entender que todos os excessos são perniciosos, mas que o excesso de TV pode ser resultado e não a causa do mau desempenho escolar. Como exemplo cita Vila Sésamo (programa nacional), que faz com que as crianças leiam mais e conheçam mais sobre o mundo. Diz ainda que o uso da TV, sendo bem dosado, pode ser um estímulo importante para melhorar o desempenho escolar.

Fonte de pesquisa:
Revista Época/ 26 de abril de 2010

12 comentários sobre “TV – EMBURRECE, EDUCA OU ENGORDA?

  1. LuDiasBH

    Messias

    Também comungo com suas ideias.
    O equilíbrio é o caminho a ser seguido em todas as questões da vida.

    Abraços,

    Lu

    Responder
  2. messias

    Lu,

    A cada dia acredito mais e mais que tudo na vida é a busca do equilibrio, o que também vale para a tv, assistir em excessoo é um problema, evidentemente que as outras questões já colocadas são pertinentes.
    abs
    Messias

    Responder
  3. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Burrice: é nossa
    Gordura: é nossa
    Educação: sociedade

    A tv é que nem a energia nuclear, foi criada para um fim e inteligentemente utilizada para outro….imagina um mundo sem tv e sem energia nuclear….seria um caos….um manipula e outro bota medo….e assim seguimos como vaquinha de presépio ou mentecapto do status quo…..

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH

      Mário

      Como disse a Aninha, num comentário abaixo, as três coisas podem ser verdadeiras.
      Você se explicou muito bem quando fala sobre a energia nuclear e o seu uso.
      A tv é tal e qual.
      Você tem razão.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *