UMA PITADA PSICODÉLICA
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Marcela C. Chaddad

Era só um óleo sobre tinta
Tinta óleo que se dissolvia
No pouco do tecido
Que restou
Da poesia que juntos construímos.
Queimava
A cada gota de óleo
Mais um tom se partia
Até a completa fluidez
Exalar um novo aroma
Formando um novo verso
Que tecia
Das doces palavras de giz
Para a secura do óleo
Que não comungava com a poesia.
Era tempo de anunciação
Fez-se trepidação, exploração e desafeição
O afeto da poesia se retirou
E fez sua casa
Com uma pitada psicodélica de imaginação.

Nota: a ilustração é uma obra do pintor russo Leonid Afremov

8 comentários sobre “UMA PITADA PSICODÉLICA

  1. Edward Chaddad

    Querida filha

    Seus versos me emocionam. Lembrei-me de Pessoa e insisto, nos seus versos: “Caminhar é preciso, viver não é preciso.”

    Temos que caminhar sempre na direção de nossos ideais, aqueles que vivenciamos, acreditando na vida, mesmo que encontremos obstáculos, dificuldades, até tristezas, mas sempre correndo junto com a vida, com fé e esperança, acreditando no amor, em busca da felicidade. É como a LuDias comentou de forma brilhantíssima: “Mas sabe qual é o bom de tudo, terna Marcela? Saber que sempre teremos outra oportunidade para pintar um novo quadro, pois continuamos vivas. E isso é o bastante para darmos consistência à magia da vida”.

    Beijos

    Responder
    1. Marcela

      Pai
      Obrigada pelas suas palavras. Ontem, ao remexer em algumas lembranças, reencontrei-me com ela. Foi em escrita em março/2016.
      Um beijo,

      Marcela

      Responder
  2. LuDiasBH Autor do post

    Marcela

    Nem sempre pintamos o quadro de certo momentos de nossa vida em conformidade com nosso desejo. São muitos os contratempos com os quais nos deparemos. A tinta pode estar rala em demasia, o pincel mais grosso do que deveria, a trama da tela está excessivamente solta, nossas pinceladas ainda se mostram imaturas, o cavalete ficou inclinado em demais, mudou-se o tempo, enquanto pintávamos…

    Mas sabe qual é o bom de tudo, terna Marcela? Saber que sempre teremos outra oportunidade para pintar um novo quadro, pois continuamos vivas. E isso é o bastante para darmos consistência à magia da vida. Quem tem alma de artista jamais quebra a paleta que colore a própria existência, pois sua alegria está em parir arte, bastando-lhe apenas “uma pitada psicodélica de imaginação”.

    Beijos,

    Lu

    O seu poema é belíssimo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *