Vidas Secas – A ESPERA PELA CHUVA (5)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

 Autoria de LuDiasBH

cap baleia

O retirante olha as estrelas no firmamento.
Há poucas delas no céu, quiçá umas cinco.
Ali perto, a nuvem escurece o velho morro,
e o poente encoberta-se com muitos cirros.
Ele vigia de novo cheio de contentamento.

É preciso ter certeza de não estar sonhando.
A lua está cercada por um aréola cor de leite,
e sua sombra leitosa prossegue agraudando.
Os cirros acumulam-se e certamente choverá.
A caatinga reviverá com as águas chegando.

Uma viração tepente alastra-se feito catinga,
empuxando os xiquexiques e os mandacarus.
Uma palpitação diferente atinge tudo em volta.
Há um reviver de garranchos e folhas secas.
O presságio de chuva arrupia o solo nu.

Quando a chuva chegar ali, naquele “Saara”,
badalos de ossos animarão a tristeza, e irão
tilintar prazenteiros por todos os arrebaldes.
Os pixotes brincarão na terra e se espojarão
no chiqueiro de terra fofa das cabras.

As cores retornarão ao rosto de Sinha Vitória,
sua cara murcha e cheia de rugas reverdecerá,
as nádegas bambas e miúdas entronquecerão.
Ela suscitará a inveja de outras madamas, pois
vestirá saias de flores e ramas vistosas.

Quando a chuva chegar naquele chão iracundo,
a semente do gado retornará àquele árido curral,
a caatinga do sertão bruto ficará toda verdejante.
Ele será o vaqueiro pelejador da fazenda morta.
Não apenas isso – será o dono daquele mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *